Exames no Sábado: problema ou oportunidade?


Exames no sábado: problema ou oportunidade?

Rebeca S. Diez

Diálogo,
9(3), 32-33.

Quando comecei meu estudo de física na Universidade
Central da Venezuela — a de maior prestígio em meu país
— estava apreensiva, como a maioria dos estudantes adventistas, que
eu teria de enfrentar o problema de exames no sábado. No começo
de cada semestre orava fervorosamente que Deus interviesse de modo que,
se fosse Sua vontade, não houvesse tal exame. Mas aquele dia finalmente
chegou.

Durante o segundo semestre de meu segundo ano, matriculei-me
em Matemática III e Mecânica I. No primeiro dia de aulas,
o professor de matemática anunciou que, a fim de aliviar a pressão
associada com exames, ele planejava marcá-los para o sábado.
Minha mente disparou: “Devia pedir uma exceção naquele
momento ou devia abordar o professor no final da aula? Que faria se ele
rejeitasse meu pedido de um horário diferente? Por que permitia
Deus que isso me acontecesse?”

Decidi abordá-lo em particular no final da aula.
Expliquei-lhe as razões para meu pedido e, para meu grande alívio,
ele me disse que me ajudaria mudando o horário dos exames para
quarta-feira. Senti-me tão grata!

Na classe de Mecânica I tive ocasião de
granjear a amizade de vários colegas e de partilhar com eles minha
fé e esperança cristãs. Além disso, fiz bom
conhecimento com o professor ao partilharmos nosso interesse comum em
vegetarianismo e na língua alemã. Durante um período
de recreio, enquanto conversávamos informalmente no corredor, ele
perguntou-me se eu praticava meditação. Respondi afirmativamente,
dizendo que cada dia eu falava com Deus em oração e meditava
sobre Sua palavra. Ao voltarmos para a classe, ele falou brevemente sobre
os benefícios da meditação e acrescentou: “Há
muitos que dizem que crêem em Deus, mas não seguem Seu caminho.
Para realmente seguir o caminho de Deus, é necessário devoção
total”.

Eu queria falar mais claramente com esse professor
sobre minha fé, porque sentia que ele era um indagador sincero,
mas não achei oportunidade de fazê-lo. Mais perto do fim
do semestre, li no quadro de anúncios que o exame final de Mecânica
I ia cair no sábado. Embora apreensiva, senti que Deus me estava
dando uma oportunidade de testemunhar a esse professor.

No final de uma das aulas, expliquei ao professor que
eu não podia fazer o exame na data marcada. Ele queria saber se
meu pedido tinha que ver só com aquele sábado em particular
ou com qualquer outro sábado. Ouvindo minha resposta afirmativa,
ele indagou se isso também se aplicava à sexta-feira à
noite. Senti que ele suspeitava que atrás de meu pedido havia convicções
religiosas. O professor disse que veria o que podia fazer para me ajudar.
Naquela noite orei a Deus: “Senhor, estou pronta a testemunhar a
este professor, mas deves dar-me a oportunidade!” Na manhã
seguinte, depois da aula, o professor queria confirmar se minha decisão
de fazer o pedido para uma data diferente para o exame final, era definitiva.
Respondi que era, “mesmo minha vida estava em jogo”.

“Você não está exagerando?”
perguntou o professor, intrigado. Isto deu-me a oportunidade de citar
suas próprias palavras à classe, quando disse que para realmente
seguir o caminho de Deus, era preciso devoção total. Expliquei
que cada sábado eu tinha um encontro pessoal com Deus e que isso
era uma prioridade em minha vida. Orando silenciosamente, também
lhe dei um esboço breve do fundamento bíblico de minhas
convicções e falei-lhe da Igreja Adventista do Sétimo
Dia, da qual era membro.

O professor anunciou à classe de Mecânica
I que um dos estudantes não podia fazer o exame final na data marcada
por motivos de consciência. Disse que se todos os 33 estudantes
assinassem um pedido formal, ele o levaria ao Escritório de Coordenação
de Estudos e tentaria mudar a data. Isto foi precisamente o que aconteceu.
Que alívio e que alegria!

Baseando-nos nessas conversações e contatos
amistosos que o professor tinha tido com outros estudantes adventistas,
nós o convidamos a assistir a uma preleção sobre
nutrição apresentada por um médico adventista e patrocinada
pelo Grupo de Estudantes Adventistas na Universidade Central da Venezuela.*
Ele ficou bem impressionado, e continuamos a orar por ele. Mas isto foi
apenas o começo…

Como resultado desses incidentes, todos meus colegas
na classe de Mecânica I ficaram sabendo da Igreja Adventista do
Sétimo Dia, cujos membros se deleitam em adorar a Deus no sétimo
dia, e sobre as vantagens de um estilo de vida saudável, baseado
nas instruções de Deus. Eles espalharam a notícia
através da Escola de Ciências e logo começamos a ver
os resultados maravilhosos de nosso testemunho e nossas orações.

Pela graça de Deus, dois de meus colegas em
Mecânica II começaram a estudar a Bíblia conosco e
mais tarde uniram-se à Igreja Adventista mediante o batismo. Um
deles foi Javier, agora meu noivo, e o outro, João. Um outro estudante,
Eduardo, pensa em dar o mesmo passo. Três outros estudantes que
não estavam tomando os cursos de Mecânica I e II, foram também
batizados. Vários membros do Grupo de Estudantes Adventistas estão
agora dando estudos bíblicos a cerca de vinte moços e moças,
a maioria deles colegas universitários. Confiamos na promessa da
Bíblia: “Lança o teu pão sobre as águas,
porque depois de muitos dias o acharás”. Eclesiastes 11:1.

E não sou a única adventista na Escola
de Cíências — agora somos um grupo dinâmico!

Alguns leitores podem pensar: “Ela teve sorte
e agora tudo é fácil para ela e para seus colegas adventistas
na universidade”. Não creiam um só momento que nossa
provação findou. Deus sabe porquê. Este ano, de novo,
tenho exames marcados para o sábado. Felizmente João e eu
somos estudantes na mesma classe e juntos abordamos o professor. Ele disse
que conhecia colegas na profissão que são adventistas e
que para eles o sábado é um dia especial, de pôr-de-sol
a pôr-de-sol. Além disso, contou-nos que no ano passado outro
estudante adventista em seu curso decidiu sair da classe porque os exames
foram marcados para o sábado. Somos tão gratos por sua fidelidade
a suas convicções! Posso imaginar a reação
desse professor se tivesse visto incoerência entre estudantes adventistas.

Conheço também um estudante adventista
que faz um curso de gerência em minha universidade, que teve de
matricular-se no mesmo curso sete vezes sucessivas porque os exames eram
sempre marcados para o sábado e ele sempre se recusava a fazê-los
naquele dia especial. Visto que não podia ter a data mudada, de
um ponto de vista humano ele “desperdiçou” dois anos
e meio. Mas Deus sabe do resultado final. Muitos professores e estudantes
souberam da lealdade de meu amigo à sua fé. Creio que seu
testemunho pode ser usado pelo Espírito Santo para despertar a
consciência de outros e levá-los à verdade de Deus.
Aquilo que é um “desperdício” e derrota aparente
pode tornar-se uma vitória e um ganho eterno. “Quem sai andando
e chorando enquanto semeia, voltará com júbilo trazendo
seus feixes”. Salmo 126:6.

A partir de minha própria experiência,
quero fazer um apelo pessoal a estudantes universitários adventistas
em toda parte. Não ore para que Deus o livre de enfrentar aulas
ou exames no sábado. Antes peça-Lhe que lhe dê sabedoria
e força para enfrentar o desafio e tornar-se uma testemunha fiel.
O que parece ser um problema em seus estudos pode ser uma oportunidade
que Deus lhe apresenta para partilhar sua fé com seus professores
e colegas. Por que “como invocarão Aquele em quem não
creram? e como crerão nAquele de quem nada ouviram? e como ouvirão,
se não há quem pregue”? Romanos 10:14.

O destino eterno de muitos estudantes e professores
em campi universitários em toda parte pende na balança.
Seu próximo exame marcado para um sábado e sua lealdade
e tato bem podem ser os fatores que lhes darão uma chance de conhecer
a Deus, aceitar Sua graça que salva, e unir-se à sua família
na Terra.

(*) O Grupo de Estudantes Adventistas da Universidade
Central da Venezuela envolve estudantes adventistas em apoio mútuo
e em ação evangelística. Apreciamos contato com estudantes
adventistas de outros campi e de outras associações de estudantes
adventistas. Podem comunicar-se conosco em espanhol, inglês, alemão
ou português. Escrevam para mim ou para Javier Escobar, um dos oficiais
do Grupo, no endereço postal seguinte: Apartado 47-797; Caracas,
1064-A; Venezuela. Podem também comunicar-se conosco via E-mail:
jgarcia@strix.ucv.ciens.ve; jescobar@strix.uvc.ciens.ve; ou rdiez@strix.ucv.ciens.ve.


Anúncios