O Propósito do Livro de Daniel


Inserida nas narrativas e visões está a descrição que o profeta faz de D’us como o eterno, onisciente, onipotente, justo, misericordioso e clemente soberano. Uma perspectiva global ou internacional caracteriza a descrição de Daniel da Deidade. Ele é o D’us de todas as nações, bem como o de Israel. Ele governa nos reinos dos homens. Ele não só revela o futuro, mas também intervém na história. Ele não permite que nada frustre seu propósito e objetivo supremo.

Os anjos são proeminentes. Descritos como “santos”, os “guardiões” da atividade humana, compõem a multidão celestial que assiste o Ancião de Dias no julgamento no Céu. Algumas vezes, são enviados para proteger e livrar os servos de Deus. Aparecem mais notavelmente no livro como intérpretes das visões. Um deles é designado pelo nome.
A fragilidade humana (dependência de D’us para existir) é contrastada com o orgulho e a arrogância, que as vezes se jacta de sua autossuficiência até ser humilhada por decreto divino. As experiências de Daniel e seus amigos anteveem a experiência profetizada dos santos. Eles são igualmente ameaçados como sofrimento, distinguidos por sua lealdade e finalmente libertos. O nome de Daniel (“D’us é meu juiz”) é uma constante lembrança do dever de prestar contas. Haverá um dia em que os livros serão abertos e a sentença dada; aqueles que forem encontrados inscritos no livro da vida serão salvos.

Em contraste com concepções pagãs evasivas, Daniel apresenta uma visão linear da história. Esse eixo horizontal está expresso na cronologia do livro e se estende da época do profeta através de reinados históricos sucessivos até o estabelecimento do eterno reino de D’us na terra. D’us determinou o curso do futuro, mas não o destino do individuo. O homem é livre para servir ou rejeitar a vontade divina dentro do curso dos eventos determinados por D’us. Observa-se também no livro um eixo vertical ou espacial da história. Há uma linha definida entre o plano do céu e o da terra. Atividades e acontecimentos em ambos os planos se relacionam e afetam um ao outro. A conexão entre o Céu e a terra é estreita; D’us está no controle de tudo.

O livro trata de uma variedade de temas escatológicos. O papel do Messias em trazer o fim do pecado e estabelecer a justiça eterna, as aflições apocalípticas do fim dos tempos, a ressurreição e final libertação do povo de D’us. Repetidamente, o profeta retorna aos temas do julgamento e do estabelecimento do reino de D’us na terra, a eterna possessão dos santos.

O livro de Daniel apresenta o escopo da história a partir da perspectiva divina. Sua mensagem é de certeza. A despeito de todas as aparências do contrário, a humanidade não é deixada às forças da ganância e ambição humanas ou à mera sorte. D’us está no controle da vida hoje. Ele governa nos reinos dos homens para cumprir seu propósito. O D’us onipotente e onisciente está cumprindo seu sábio desígnio e irá salvar seu povo que depositou nele sua confiança.

fonte: Estudos sobre Daniel, Origem, Unidade e Relevância Profética, UNASPRESS, 2009, editor Frank B.Holbrook, pág. 36.

Anúncios