MONGES TRAPISTAS VISITAM MUSEU DO HOLOCAUSTO


Eles saem do Mosteiro apenas uma vez por ano. Em 2012, saíram especialmente para visita ao Museu do Holocausto de Curitiba.

O Museu do Holocausto de Curitiba recebeu a visita de 28 monges do Mosteiro Trapista Nossa Senhora do Mundo, localizado em Campo do Tenente/PR, a 100 quilômetros da capital paranaense.
A Ordem Trapista (oficialmente Ordem dos Cistercienses Reformados de Estrita Observância) é uma congregação religiosa católica em que os monges vivem reclusos e isolados em comunidade. Os monges saem do Mosteiro apenas uma vez por ano. Em 2012, saíram especialmente para visita guiada ao Museu do Holocausto de Curitiba, onde foram recebidos pela coordenação-geral e pela equipe pedagógica.
Monges trapistas
No mosteiro de Campo do Tenente, o único masculino no Brasil, os monges vivem uma vida de solidão, meditação, orações e trabalhos manuais. Acordam cedo, às 2h45 da manhã, e se reúnem sete vezes ao longo do dia para orar na capela de pedra e madeira construída entre a clausura, a portaria e a hospedaria em que recebem hóspedes que desejam se conectar com Deus e orar junto a eles. O site oficial do Mosteiro é o http://www.mosteirotrapista.org.br/.

Desde fevereiro de 2012, quando foi aberto oficialmente, o Museu do Holocausto já recebeu cerca de nove mil visitantes, a maioria alunos de escolas públicas e particulares do Paraná, de Santa Catarina e do Estado de São Paulo. Idealizado pela Associação Casa de Cultura Beit Yaacov, presidida por Miguel Krigsner, com apoio da comunidade judaica na capital paranaense, o Museu do Holocausto de Curitiba é o único do gênero no Brasil. “Esse espaço nasceu com a vocação de contribuir com a educação, além de relembrar e preservar a história”, ressalta Miguel Krigsner.

fonte: RUA JUDAICA 21-12-2012 * JUDAISMO * SIONISMO * HUMANISMO *‏

Anúncios