Em questão a identidade judaica


Haveria alguma restrição em montar uma árvore de Natal para enfeitar a sala da casa?
Esta pergunta aparentemente banal me foi colocada por um jovem pai e talvez seja a dúvida de alguns que convivem meio uma maioria que professa outra religião.
Encaro essa questão como tendo implicações bem mais profundas do que apenas em termos de um enfeite: trata-se de uma questão de identidade.
O nosso lar é uma fábrica de identidades. É na vivência do lar que as experiências compartilhadas formam a imagem de quem somos. E as crianças precisam de identidades claras. A única coisa que as crianças não podem tolerar é a indefinição. Se a elas são mostrados sinais indecisos dentro de casa, então elas procurarão forjar suas identidades com exemplos fora de casa. Pais conscienciosos que se preocupam em serem os únicos a conferir identidade às suas crianças precisam ser muito claros quanto à sua própria identidade dentro do lar.

Para que as crianças tenham uma identidade judaica positiva elas devem saber claramente quem elas são, e se orgulharem disso. Celebrar uma festa não-judaica, especialmente com sua própria família em sua própria casa, é trazer confusão e instabilidade à identidade familial. Não há dúvida de que é obrigatório ensinarmos nossos filhos a respeitar as outras culturas, mas isso não significa que devamos efetivamente celebrá-las.
Alguns pensam que esta é a visão de gente com mente fechada. Acreditam que devemos abraçar todas as culturas e religiões, e expor nossas crianças à diversidade tanto quanto possível para deixá-las escolher as suas próprias identidades quando amadurecerem. Mas a verdade é que, se dermos aos nossos filhos o gosto de cada cultura, estaremos, na verdade, não lhes dando cultura alguma. Só se pode ser verdadeiramente aberto para os outros quando se é claro sobre sua própria identidade.
Portanto, minha mensagem a esse pai e a todos os pais judeus conscienciosos é: dêem aos seus filhos um senso claro de si mesmos, e eles nunca se sentirão ameaçados por outros. Quando eles puderem dizer com confiança “eu sei quem eu sou”, eles estarão suficientemente seguros para responder: “e quem é você?”.
Rabino Ilan Stiefelmann
Lubavitch Copacabana
http://www.lubavitchcopacabana.org

Fonte: RUA JUDAICA 21-12-2012 * JUDAISMO * SIONISMO * HUMANISMO *‏

Anúncios