Memórias: Shoah vive através de tatuagens


Parentes de sobreviventes do Holocausto estão fazendo tatuagens que reproduzem a marca imposta pelos nazistas aos judeus. “É uma afirmação da identidade coletiva”, explica uma socióloga.

Tatuagem Shoá
Como um símbolo de sua luta permanente e, como sinal de lembrança, os parentes dos sobreviventes do Holocausto em Israel estão fazendo tatuagens que reproduzem os números que o Partido Nazi tatuavam nos corpos dos judeus. Os números que eram tatuados nos judeus durante o seu tempo em campos de trabalho, como Auschwitz eram indelével, por isso as marcas deixadas naqueles sobreviventes foram observadas por suas famílias após a sua libertação – levando dezenas de filhos e netos a fazer as tatuagens para manter a memória viva.

Ellee Sagir, a neta de Joseph Diamant, relata: “Eu disse a ele: ‘Um dia você vai embora e nós vamos ficar aqui para contar a sua história.” Ele começou a chorar e beijou a minha mão, e foi especial para ele. Depois que ele morreu, a tatuagem manteve o mesmo significado, mas mais forte, eu acho.” Yona Sagir, filha de Joseph Diamant, diz: “Ele me dá força quando eu olho para o número eu sinto que posso fazer qualquer coisa. Vejo que o que ele passou foi tão forte e tão forte que meus problemas são pequenos…”

Gad Yair, um professor de sociologia na Universidade Hebraica de Jerusalém, caracteriza o movimento da tatuagem como um sinal de identidade cultural e histórica. “As pessoas, por tatuar o número em seus braços, fazer um contrato para perpetuar esta história e torná-lo visível para todos os outros ao seu redor. Então eu acho que é uma afirmação de identidade coletiva”, explica ele.

enviado graciosamente por: rua judaica 07 de junho de 2013

Anúncios