TESOURO JUDAICO SALVO DE SADDAM ESTÁ EM EXPOSIÇÃO NO IRAQUE


Em maio de 2003, poucos dias depois que as forças de coalizão lideradas pelos americanos derrubaram Saddam Hussein, um grupo de soldados americanos da Equipe Alpha Mobile Exploitation estavam procurando a sede do temível serviço de inteligência de Saddam, e sinais de armas nucleares, biológicas e químicas. Submerso sob quatro metros de água na cave do edifício, depararam-se, surpreendentemente, com livros e documentos relativos à antiga comunidade judaica de Bagdá.

Os milhares de materiais alagados foram rapidamente resgatados e guardados, mas logo começou a acumular mofo com a umidade no poderoso calor do verão do Iraque.

Dentro de dias, dois especialistas de preservação do Arquivo Nacional em Washington DC chegaram a Bagdá, via transporte militar, para avaliar os danos e bolar um plano para salvar os itens, que incluíam 2.700 livros e dezenas de milhares de registros comuns em hebraico, árabe, judeu-árabe e Inglês, com data de 1540 até a década de 1970.

Iraque
Thousands of waterlogged Jewish books and documents shortly after their discovery in a flooded basement of Saddam Hussein’s former intelligence headquarters, May 2003. (Photo credit: courtesy The National Archives)

Dois meses depois, o Arquivo Nacional assinou um acordo com a Autoridade Provisória da Coalizão no Iraque permitindo que todo o material fosse enviado para os EUA para conservação e exposição, “sob a condição que, após a restauração, os documentos fossem devolvidos ao Iraque”.

Desde então, os tesouros do que está sendo chamado de “Arquivo judeu iraquiano” tem sido embalado a vácuo, liofilizado, preservado e digitalizado, sob a direção do Arquivo Nacional, um centro de pesquisa e um museu em Washington DC, onde os visitantes podem ver, entre outras coisas, as cópias originais da Carta Magna, da Constituição dos EUA e da Declaração de Independência.

Esta semana, uma década após a sua descoberta, duas dúzias de itens de arquivos de judeus iraquianos estão em exibição pública, pela primeira vez, no Arquivo Nacional, em uma exposição chamada “Descoberta e recuperação: Preservação da Herança Judaica iraquiana”.

Os destaques da exposição são:

A Bíblia hebraica com comentários de 1568
O Talmud Babilônico de 1793
Um fragmento de rolo da Torá de Gênesis
O Zohar (livro de misticismo) de 1815
A Hagadá de Pessach de 1902 escrito à mão e decorado por um jovem judeu iraquiano
Uma carta oficial de 1918 do rabino chefe sobre a atribuição de ovelhas para Rosh Hashaná
Materiais de escolas judaicas de Bagdá, incluindo notas do exame e uma carta para o College Entrance Exam Board em Princeton
Um calendário lunar em hebraico e árabe, de 1972-73, um dos últimos exemplos de itens hebreus produzidos em Bagdá

Judeus iraquianos não são sefarditas (espanhóis). A maioria de seus ancestrais nunca pôs os pés na Espanha. Em vez disso, a comunidade veio de volta , no século VIII º aC, quando o exército assírio conquistou as dez tribos do norte de Israel e forçosamente transferiu uma parcela da população ao que é hoje o Iraque.

Menos de 200 anos depois, os babilônios saquearam Jerusalém e destruíram o Templo de Salomão, o envio de mais exilados aos rios da Babilônia, “onde sentamos, choramos quando lembramos de Sião” (Salmo 137).

Mesmo quando a comunidade recebeu permissão para retornar, 70 anos depois, muitos ficaram, estabelecendo raízes naquilo que viria a se tornar uma das maiores comunidades judaicas, em duração e mais influente ao longo da história.

Ao longo dos séculos, a Babilônia / comunidade judaica do Iraque serviu como o material e ponto focal espiritual da Diáspora. Ela produziu o Talmud, organizou o calendário judaico e configurou uma rede altamente organizada de instituições educacionais, culturais e religiosas. Por volta do século XX, havia cerca de 50 mil judeus em Bagdá, cerca de um em cada quatro cidadãos.

Mas na década de 1970, os judeus do Iraque tinham tudo, mas desapareceram. Depois de 2700 anos, a comunidade outrora próspera, não conseguiu superar a violência e a perseguição do século XX.

Após uma série de massacres, expulsões, restrições econômicas e outras formas de assédio, a gota d’água ocorreu em 1968, quando dezenas de pessoas foram presas após a descoberta de uma “rede de espionagem”, composta de empresários predominantemente judeus. Quatorze homens, 11 deles judeus, foram condenados à morte em julgamentos e pendurados em praças públicas em Bagdá.
Após pressão internacional, o governo iraquiano permitiu que a maioria dos judeus restantes emigrasse calmamente, na década de 1970. Hoje, há menos de 10 judeus no Iraque.

Perante este cenário preocupante, a perspectiva que o Arquivo judeu iraquiano retorne a Bagdá despertou a ira da comunidade judaica americana.

Harold Rhode, um especialista em assuntos islâmicos no Departamento de Defesa dos EUA, que liderou a equipe da descoberta, em 2003, disse que está “horrorizado” só em pensar que o material será devolvido para Bagdá.

A Torah case from 1920 that belonged to a once-thriving Baghdad Jewish community was recovered and is on display at The National Archives in Washington, DC. (photo credit: The National Archives)

Organizações judaicas sefarditas e iraquianas estão em campanha para manter o arquivo nos EUA. Michael Salberg, diretor de assuntos internacionais da Anti-Defamation League (ADL), lançou o peso de seu grupo por trás do esforço. E vários legisladores americanos estão pedindo ao governo para não devolver os materiais.

“Esses artefatos sagrados foram retirados da comunidade judaica do Iraque e, portanto, não pertencem ao governo iraquiano”, disse o senador Charles Schumer (D-NY) ao New York Daily News. Na Câmara dos Representantes, Ileana Ros-Lehtinen (R-FL) e o democrata Steve Israel (D-NY) estão coletando assinaturas pedindo que o Departamento de Estado altere ou anule o acordo.

Por sua vez, a administração de Obama está furando o acordo, argumentando que declara expressamente que o Arquivo será devolvido ao Iraque após a conclusão da conservação e exposição.

ASSINE EM : https://secure.avaaz.org/en/petition/Dont_let_the_Jewish_archive_go_back_to_Iraq/

Uma petição online pedindo ao governo dos EUA para manter o arquivo judeu iraquiano tem, no momento da redação deste texto, cerca de 8.500 assinaturas.

Fonte: Rua Judaica 22 de novembro de 2013.

Anúncios