CANAL LIGARÁ O MAR VERMELHO AO MAR MORTO


Os representantes de Israel, Jordânia e da Autoridade Palestina assinaram um pacto histórico entre as três administrações em Washington. O acordo é referente a construção do Canal Dois Mares que ligará o Mar Vermelho ao Mar Morto.

O ministro da Energia Silvan Shalom – que também é o ministro para a cooperação e infra-estrutura regional – representou Israel na cerimônia de assinatura. A Jordânia e a Autoridade Palestina são representados pelos respectivos ministros de água.

“Este é um acordo histórico que cumpre a visão de Herzl para a construção de um canal de água”, disse o ministro israelense. “Estamos decididos a executar o processo em etapas e a primeira etapa é uma planta de dessalinização de água em Aqaba (Jordânia) e do gasoduto para salvar o Mar Morto”, acrescentou o ministro.

ISRAEL MAPA

An illustration of the agreement (Photo: Google Maps)

Shalom nota que esta é “uma outra etapa para a paz com os palestinos. É um dia de celebração, sem clichês. Estamos implementando o acordo trilateral para ajudar os moradores da região, para salvar o Mar Morto, o abastecimento de água e eletricidade, e para trazer a cooperação estratégica, econômica e política. Esta é uma história de sucesso.”

O ministro israelense acrescentou ainda que “o dano de não fazer nada é maior que o custo do projeto. Estamos progredindo lentamente por causa de questões ecológicas. Vamos torcer para que esse negócio seja uma janela de esperança para a paz regional.”

O Ministro da água jordaniano, Hazem Nasser, ressaltou que o acordo não é político: “Este é um acordo com um aspecto humanitário, projetado para ajudar aqueles que precisam de água. Há um aspecto ecológico, já que estamos tentando salvar o Mar Morto.”

Ele acrescentou: “Sem água não haverá emprego e a pobreza vai continuar. É por isso que nós cooperamos com os nossos parceiros regionais.”

O Ministro da AP encarregado de questões de água, Shaddad Attili, observou que “o acordo não está relacionado com os acordos de Oslo. A beleza é que este é um negócio regional e que é importante para todos para salvar o Mar Morto. Apesar de questões políticas e o (conflito israelense-palestino), provamos que todos nós podemos trabalhar juntos”.

Regional plan to save Dead Sea (Photo: Shutterstock)

Segundo o acordo, cerca de 100 milhões de metros cúbicos de água por ano serão bombeados em direção ao norte, o que irá ajudar a retardar a dessecação do Mar Morto. Os jordanianos receberão 30 milhões de metros cúbicos para sua própria região sul, e um adicional de 50 milhões de metros cúbicos de água cinzenta do Kinneret para o norte.

A usina de dessalinização construída em Aqaba permitirá que os israelenses, jordanianos e palestinos dividam milhões de metros cúbicos adicionais de água.

No âmbito das negociações do acordo, os palestinos solicitaram uma posição na parte norte do Mar Morto, mas Israel recusou. Em vez disso, a Autoridade Palestina receberá cerca de 30 milhões de metros cúbicos do Kinneret – ou água dessalinizada ou água-cinza, ao custo de produção – o que irá aumentar o fornecimento de água para os moradores da Cisjordânia.

A totalidade do gasoduto será colocado na Jordânia, contornando assim questões levantadas por organizações ambientais em Israel. Salvo atrasos inesperados, a construção da instalação de gasodutos e de purificação será concluída dentro de quatro a cinco anos.

FONTE: rua Judaica 16 de dezembro de 2013 – via e mail.

Anúncios