ESCOLA NA LETÔNIA TEM PLACA ANUNCIANDO SER “LIVRE DE JUDEUS”


Uma placa no coração de Riga, capital do país do leste europeu da Letônia, rotula a pré-escola como “Judenfrei” (livre de judeus), um ditado frequentemente usado pelos nazistas para descrever uma área cuja população judaica tinha sido removida.

Fontes da imprensa local revelaram recentemente que a pré-escola é de propriedade da família Par?dnieks, que faz parte do Parlamento letão representando o Partido de Unidade Nacional que tem sido acusado por sentimentos antissemitas e se identifica com o período histórico do país sob o controle dos nazistas.

Segundo relatos locais, a placa foi pendurado na entrada da pré-escola, na manhã de 6 de maio, apenas dois dias antes do dia que comemora a vitória sobre os nazistas na Segunda Guerra Mundial.

Segundo o site russo Regnum, um transeunte que viu o sinal alertou a polícia na semana passada.

Escola anti semita

The entrance to the pre-school in Riga.

A pré-escola já fez manchetes em circunstâncias questionáveis ??em março de 2012, quando foi relatado que dois homens vestidos com uniformes da SS vieram para dar às crianças uma lição de “educação patriótica”.

Os relatórios alegaram que os homens mostraram as crianças armas militares e falaram com eles sobre o serviço militar.

Segundo o site da Letônia Kompromat, a placa foi pendurada no mesmo dia em que o rabino Pinchas Goldschmidt, o Presidente da Conferência de Rabinos Europeus, visitou Riga em memória de 70.000 a 80.000 judeus da Letônia que morreram na Segunda Guerra Mundial.

A jornalista que descobriu a história era Natalia Vasiliev, uma âncora do telejornal na rede First Channel Báltico. Ela postou fotos da entrada da pré-escola em sua página no Facebook e escreveu: “Diga-me, em que outros países da União Europeia algo como isso pode acontecer… As pessoas que assistem o meu programa de televisão e se viraram para a polícia fizeram a coisa certa.”

O rabino da comunidade judaica de Riga, Menachem Barcohen, disse ao Kompromat que ele não acredita que Par?dnieks está por trás do sinal antissemita, porque de acordo com ele, a colocação de uma tal placa, especialmente tão perto das cerimônias lembrando o Holocausto, seria um suicídio político.

O rabino do Beit Chabad, Mordechai Glazman, disse que a comunidade judaica não tinha tido conhecimento da placa. “Eu só sei sobre isso porque alguém de Israel me enviou uma notícia sobre isto.”

“É possível que esta seja apenas uma provocação e é possível que não, mas a situação aqui é muito calma. Eu não posso dizer que sinto antissemitismo aqui. Estou morando aqui, há 2 anos, e eu ando pelas ruas do mesmo jeito que eu ando pelas ruas de Jerusalém, com o meu chapéu, terno e talit “.

“Eu não diria que Par?dnieks é um defensor dos judeus, mas eu li que ele alega que alguém colocou a placa”, disse Goldman.

Quando perguntado se a comunidade judaica estava perturbada com o incidente, Goldman respondeu: “Ninguém sabia sobre isso e ninguém está falando sobre isso.”

Alex Tenzer, um israelense nascido em Kiev que lidera a Associação Nacional de imigrantes da antiga União Soviética, afirma que incidentes antissemitas ocorrem nos ex-Estados soviéticos em uma base regular.

Fonte: Rua Judaica 19 de maio de 2014

Anúncios