Como o Domingo ocupou o lugar do Shabatt entre os seguidores de Yeshua (Jesus)?


O Concílio de Laodiceia

O concílio de Laodiceia ocorrido em 364 d.C., discutiu na ocasião sobre o dia de guarda que o cristianismo, agora romanizado, deveria seguir. Esta assembleia eclesiástica motivada em parte pela vigência do edito de Constantino(a), estabeleceu no cânon 29:

Dez Mandamentos Originais e Modificados

“Os cristãos não devem judaizar e descansar no sábado, mas trabalhar neste dia; porém devem honrar especialmente o dia do Senhor, e, como cristãos, devem se possível, não realizar nenhum trabalho neste dia. Se, entretanto, forem encontrados judaizando, sejam excomungados por Cristo.”1

Analisando este cânon verifica-se que:

1. Em meio a crescente afastamento dos ensinos de Yeshua (Jesus), houve cristãos que não se curvaram as falsas doutrinas e permaneceram leais aos ensinos bíblicos, pois obedeciam integralmente aos Dez Mandamentos como Yeshua/Jesus lhes ensinara(b);

2. A obediência desses cristãos ao quarto mandamento, que apresenta o sábado (sétimo dia da semana) como o “dia do Senhor”(c), causava desconforto e ira naqueles que decidiram considerar o domingo (primeiro dia da semana) como dia santo;

3. O cânon 29 não objetivava, unicamente, substituir o verdadeiro dia de repouso instituído por Deus, pois determina também perseguição àqueles que seguissem com a observância sabática no sétimo dia da semana (conforme fora predito em Apocalipse 13:7, Apocalipse 12:17).

Líderes religiosos envolvidos por doutrinas enganosas apoiaram-se no decreto do imperador Constantino promulgado em 321 d.C., e em outras leis dominicais estabelecidas em anos subsequentes, para redigir o cânon 29 com o intuito de impor a substituição do dia de descanso semanal instituído por Deus (Êxodo 20:8-11; Isaías 56:2; Marcos 2:27); e esta vil atitude estava profetizada:

“Proferirá palavras contra o Altíssimo, magoará os santos do Altíssimo e cuidará em mudar os tempos e a LEI. (…)”(d) (Daniel 7:25 RA).

judaismo beit_midrash_a casa dos sábios

Analise, agora, alguns os testemunhos de teólogos e historiadores sobre estas questões:

“(…) domingo, diem solis, em conformidade com a expressão popular, era necessário para distinguir o dia na abordagem dos pagãos. Durante as eras iniciais da igreja, nunca foi intitulado ‘o sábado’; esta palavra está restrita ao sétimo dia da semana, o sábado judaico, que, como já dissemos, continuou a ser observado por vários séculos pelos convertidos ao cristianismo.”2

“Embora quase todas as igrejas em todo o mundo celebrem os sagrados mistérios no sábado de cada semana, os cristãos de Alexandria e de Roma, em vista de alguma antiga tradição, cessaram de fazer isso.”3

“O povo de Constantinopla e de outras cidades, congregam-se tanto no sábado como no dia imediato; costume esse que nunca é observado em Roma.”4

“Os celtas tinham seus próprios concílios e decretavam suas próprias leis, independente de Roma. Os celtas usavam uma Bíblia latina diferente da Vulgata, e guardavam o sábado como dia de repouso, com serviços religiosos especiais no domingo.”5

“É certo que o próprio Cristo, Seus apóstolos e os cristãos primitivos em um considerável espaço de tempo observaram constantemente o sábado do sétimo dia; os evangelistas e São Lucas em Atos sempre referem-se ao dia de sábado, delineando a sua solenidade pelos apóstolos e outros cristãos. (…) O sábado do sétimo dia foi solenizado por Cristo, pelos apóstolos e pelos cristãos primitivos, até que a assembleia de Laodiceia de certa forma aboliu a sua observância. (…) O concílio de Laodiceia, 364 d.C., estabeleceu primeiramente a observação do dia do Senhor [domingo], e proibiu a guarda do sábado judaico sob anátema.”6

“Pouco precisa ser dito sobre a mudança do sétimo para o primeiro dia da semana. Os primeiros discípulos conservavam ambos os dias: o sábado para o descanso, o domingo para o trabalho. A igreja cristã não realizou de forma oficial, mas gradual e quase inconscientemente, a transferência de um dia pelo o outro.”7

“A oposição ao judaísmo introduziu o particular festival do domingo muito cedo, na verdade, no lugar do sábado. (…) A festa dominical como todas as outras festividades, sempre foi uma ordenança unicamente humana, e estava longe das cogitações dos apóstolos estabelecer a este respeito uma ordem divina; longe deles e da primitiva igreja apostólica transferir para o domingo as leis do sábado.”8

“No intervalo entre os dias dos apóstolos e a conversão de Constantino, a comunidade cristã mudou seu aspecto. O bispo de Roma, um personagem desconhecido para os autores do Novo Testamento, nesse intervalo de tempo, finalmente conseguiu a primazia de todos os outros clérigos. Ritos e cerimônias, na qual Paulo nem Pedro nunca ouviram, foram usadas sorrateiramente e silenciosamente, e, em seguida, firmadas como instituições divinas.”9

“Da época dos apóstolos até o concílio de Laodiceia, que ocorreu por volta do ano 364, a sagrada observância do sábado dos judeus persistiu, como pode ser comprovada por vários autores; de fato, apesar do decreto deste concílio em oposição à ela.”10

sábado II

Esses dados históricos não causam estranheza quando lemos que os discípulos guardaram o Shabat por ocasião do sepultamento de Yeshua/Jesus:

“Era o dia da preparação, e o shabbat estava para começar. As mulheres que vieram com Yeshua desde a Galil o seguiram; elas viram o túmulo e como o corpo fora colocado nele. Então voltaram para casa a fim de preparar fragrâncias e unguentos. No shabbat, as mulheres descansaram, em observância ao mandamento. Lucas 23:54 a 56.

Jesus ressuscita, aparece aos discipulos e os envia a pregar. 001

Dani’el, Kefa e Sha’ul

Tanto Dani’el (Daniel 07:25), Kefa ( II Pedro 02) quanto Sha’ul (Paulo, em II Tessalonicenses 02) profetizaram sobre um afastamento dos princípios permanentes da Torá, em especial em relação aos Dez Mandamentos que deveria ser escrito na B’rit Hadashah no coração de todo aquele que crê (Yirmeyahu/Jeremias 31:30 a 34). A igreja romana incrivelmente cumpre os detalhes profetizados.

Na ânsia da igreja de Roma em substituir o sábado pelo domingo, resultaram em caos quanto ao dia de descanso que deveria ser seguido no cristianismo. O impasse entre a guarda sabática e dominical ocasionou a observância de ambos os dias por muito tempo, e é nesse ambiente conturbado que o concílio de Laodiceia regulamenta o cânon 29.

A guarda do domingo como sendo o “dia do Senhor” não é bíblica, e não era seguida pelos primeiros cristãos da igreja primitiva. Se a observância dominical fosse algo definido, fato estabelecido no cristianismo na época de Jesus e de Seus discípulos (como alguns sem base bíblica e histórica alegam) então, por que o concílio de Laodiceia legislou proibindo o descanso sabático entre os cristãos em suas sessões no século IV? Para que invocar o sábado se ele tinha sido cancelado na cruz e ninguém o observava? É inegável que o conclave traçou diretrizes a respeito do dia de guarda objetivando substituir o sétimo dia (descrito no quarto mandamento) pelo primeiro dia da semana.

Sábado e Jesus

Abrangência do concílio de Laodiceia

Existe no meio protestante, àqueles que se esforçam para minimizar a autoridade do concílio de Laodiceia com os seguintes argumentos: que ele foi realizado no Oriente e não em Roma; que a cidade de Laodiceia era grega e não romana; que a igreja de Roma não estava presente; que era concílio local, sem amplitude global; entre outros pretextos esdrúxulos e inúteis. Na realidade essas pessoas não menosprezam somente os registros e as implicações do concílio de Laodiceia, mas qualquer fato histórico que prove a origem pagã da observância dominical.

A ocorrência de um concílio fora de Roma nada significa contra a sua autoridade porque, os primeiros concílios locais e gerais que estabeleceram as doutrinas e diretrizes eclesiásticas da igreja romana foram realizados na Turquia (Ásia Menor), tais como: concílios de Nicéia; concílios de Constantinopla; concílio de Éfeso e o concílio de Calcedônia. Os demais ocorreram na Europa a partir do concílio de Latrão (1123 d.C.) e, especificamente na cidade de Roma, somente os concílios de Trento e do Vaticano. O fato da maioria destas assembleias terem sido realizadas fora de Roma não enfraquece a autoridade de suas decisões para os fins que foram estabelecidas.

A afirmação de que o concílio de Laodiceia foi local sem amplitude revela ignorância dos fatos, pois, todas as decisões tomadas em seus 60 cânons, foram totalmente ratificadas e oficializadas pelo cânon 01 do concílio (geral) de Calcedônia,11 demonstrando a autoridade e a universalidade da assembleia laodiceana:

“Os cânones até esta data publicados pelos santos pais em todos os sínodos terão validade.”12
Papa Francisco
“Além de reforçar os cânones dos concílios anteriores da igreja, bem como as declarações de alguns sínodos locais, o concílio [de Calcedônia] emitiu decretos disciplinares destinados a monges e clérigos e, declarou patriarcados(e) Jerusalém e Constantinopla. O efeito global foi para dar à igreja um caráter institucional mais estável.”13

“O concílio [de Laodiceia] foi composto por 32 bispos das províncias da Ásia e os resultados das decisões produziram 60 cânones que foram pronunciados como credos obrigatórios aos cristãos em todo o mundo pelo concílio de Calcedônia em 451.”14

Pode-se destacar ainda que, o concílio de Laodiceia teve legitimidade em estabelecer quais livros pertenceriam a Bíblia, eliminando do seu catálogo os livros apócrifos.15

Na ocasião o livro de Apocalipse não foi aceito, porém, fora incluído posteriormente no concílio de Cartago (ocorrido na África) em 397 d.C. Estas medidas de aplicação universal também foram confirmadas pelo concílio geral de Calcedônia.

Através desses dois concílios locais (Laodiceia e Cartago) realizados fora do território de Roma e com pequena representatividade da igreja romana é que, os protestantes (especialmente os que se contorcem para desmerecer as implicações e a universalidade do concílio de Laodiceia), possuem hoje suas Bíblias em ordem com todos os livros inspirados e, excluídos os deuterocanônicos (apócrifos). Lembrando que, na contra-reforma, a igreja de Roma voltou a utilizar os apócrifos com o intuito de combater o protestantismo.

Existe ainda um fato interessante vinculado a esses acontecimentos que ilustra a relação entre os poderes político e religioso de várias épocas e que, se repetirá nos eventos finais que antecedem a segunda vinda de Cristo: o imperador Justiniano I, após tomar conhecimento da ratificação de decisões eclesiásticas referentes aos cânons adotados pelos primeiros quatro concílios gerais, incorpora-os em sua Novela 131 (Nouellae 131), que era as normas constitucionais do império, com força de lei civil. E a infração contra essas normas era considerada crime contra o Estado(f).

Dez Mandamentos

Considerações Finais

É inevitável e irrefutável a conclusão de que a igreja romanizada foi a responsável pela mudança da observância sabática pela dominical, através de um processo histórico que se iniciou na era pós-apostólica e culminou no Concílio de Laodiceia.

Os catecismos e outras literaturas romanas contêm diversas declarações que reconhecem a igreja de Roma como a responsável pela mudança do dia de repouso. O fato essencial é que tal mudança não tem aprovação das Escrituras Sagradas. Ao contrário, tem fundamento unicamente na tradição enraizada no paganismo. E não constitui regra de fé e prática. Deve, pois, ser rejeitada.

Texto baseado e adaptado de: CHRISTIANINNI, A. B. (1981). Subtilezas do Erro, 2.ª ed., São Paulo: CPB, cap. 38, p. 241-246.

Vídeos relacionados: O Sétimo Dia – Programa 04; O Sétimo Dia – Programa 05

a. Acesse: A Guarda Dominical e o “deus Sol”
b. Acesse: O Sábado no Novo Testamento
c. Acesse: “O dia do Senhor”
d. Acesse: A Lei de Deus – Adulterada
e. Sob jurisdição; subordinadas à igreja romana.
f. Acesse: Babilônia Denunciada – II
g. Acesse: Do Sábado para o Domingo
1. HEFELE, C. J. (1876). A History of the Councils of the Church: From the Original Documents, vol. II, Edinburg: T. & T. Clark, book VI, sec. 93, p. 316.
2. COLEMAN, L. (1852). Ancient Christianity, Philadelphia: Lippincott, Grambo & Co., chap. XXVI, sec. II, p. 529; (Lyman Coleman foi escritor, professor de idiomas (latim e grego) e pastor da igreja Congregacional).
3. SOCRATES. Ecclesiastical History, book V, chap. XXII; (obra do historiador grego e cristão Sócrates, o Eclesiástico. Ela é composta por sete livros e discorre sobre os acontecimentos da igreja de Roma entre 305-439 d.C., abrangendo fatos políticos e eclesiásticos, tanto internos como externos). Too in: SCHAFF, P. (1886). Nicene and Post-Nicene Fathers: Socrates and Sozomenus Ecclesiastical Histories, ser. II, vol. II, New York: Christian Literature Publishing Co., p. 334.
4. SOZOMEN. Ecclesiastical History, book VII, chap. XIX; (esta obra foi elaborada pelo Salminius Hermias Sozomenus, Sozomen, e descreve a história da igreja baseada nas obras literárias de Sócrates, o Eclesiástico e de Eusebius, bispo de Cesarea). Too in: SCAFF, P. ob. cit., p. 874.
5. FLICK, A. C. (1964). The Rise of the Mediaeval Church and its Influence on the Civilisation of Western Europe from the First to the Thirteenth Century, New York: Ayer Publishing, chap. XII, p. 237. Too in: BELLESHEIM, A. (1887). History of the Catholic Church in Scotland, vol. I, p. 86; (Alexander Clarence Flick foi professor de História e ciência Política na universidade de Syracuse; era também especialista na história Europeia. Trabalhou como historiador e diretor do acervo histórico do estado de Nova York).
6. PRYNNE, W. (1633). Dissertation on The Lord’s Day, p. 33, 34, 44; (William Prynne foi advogado, escritor e membro da igreja Presbiteriana). Too in: ANDREWS, J. N. (1862). History of the Sabbath and First Day of the Week, p. 265; UTTER, G. B. (1913). The Sabbath Recorder, vol. 74, American Sabbath Tract Society, p. 616a.
7. FARRAR, F. W. (1892). The Voice from Sinai: The Eternal Bases of the Moral Law, New York: Thomas Whittaker, p. 152; (Frederic William Farrar foi escritor e filósofo inglês; membro da igreja Anglicana, fez parte do corpo eclesiástico da Abadia de Westminster e em 1883 foi nomeado arquidiácono).
8. NEANDER, A. (1843). The History of the Christian Religion and Church: During the Three First Centuries, Philadelphia: James M. Campbell & Co., p. 186a; (Johann August Wilhelm Neander, escritor e teólogo alemão, lecionou na universidade de Heidelberg e de Berlin, seus trabalhos sobre a história da igreja cristã tornaram-se referência acadêmica).
9. KILLEN, W. D. (1859). The Ancient Church, London: James Nisbet & Co., p. vi (preface); (foi professor de história Eclesiástica e diretor da faculdade Teológica Presbiteriana da Irlanda).
10. LEY, J. (1641). Sunday, a Sabbath: Preparative Discourse for Discussion of Sabbatary Doubts, London: Printed by R. Young for George Lathum, p. 163; (foi clérigo da assembleia de Westminster, presidente do “Sion College” e reitor das universidades de Ashfield e Astbury).
11. “Laodicea, Synod of”. (1911). Encyclopædia Britannica, vol. XVI, England: Cambridge University Press, p. 189b.
12. HEFELE, C., J. (1883). A History of the Councils of the Church: From the Original Documents, vol. III, Edinburg: T. & T. Clark, book XI, sec. 200, p. 385.
13. “Chalcedon, Council of”. (2010). Encyclopædia Britannica, Chicago: Encyclopædia Britannica.
14. “Laodicea, Council or Synod of”. (1919). The Encyclopedia Americana, New York, Albany: J. B. Lyon Company, vol. XVI, p. 739b. Too in: “Laodicea, Synod of”. (1911). Encyclopædia Britannica, vol. XVI, England: Cambridge University Press, p. 189b.
15. PEREIRA, C. E. (1949). O Problema Religioso na América Latina: Estudo Dogmático Histórico, 2.ª ed., São Paulo, p. 78. Quoted in: CHRISTIANINNI, A. B. ob. cit., p. 244; (Eduardo Carlos Pereira de Magalhães foi teólogo presbiteriano, e atuou como professor e escritor evangélico).

Anúncios