“ELES TENTARAM NOS ENTERRAR, MAS NÃO SABIAM QUE ÉRAMOS SEMENTES” – Cerimônia de Shloshim ( 30 dias) do saudoso Aleksander Henrik Laks




 

A cerimônia de Shloshim ( 30 dias) do saudoso Aleksander Henrik Laks, presidente da Associação dos Sobreviventes do Holocausto, aconteceu no Clube Hebraica-Rio e foi prestigiada por mais de 500 pessoas.

 

Uma exposição sobre sua vida e sua dedicação a rememorar os horrores do Holocausto foi montada na entrada do Salão Ben Gurion da Hebraica.

Laks teve uma história de vida, contada e recontada ao redor do mundo, por muitas décadas. O homem que sobreviveu ao Holocausto e fez de suas memórias a sua razão de viver.

Humanista, dialogava com todos os públicos, sempre num tom de respeito e compreensão. O tom de lamento não era o forte de seu discurso. Usava mais a indignação, por todos aqueles que compactuaram com os males da besta nazista. Assim como, enquanto teve força, foi uma voz contra o preconceito e a discriminação de qualquer natureza.

O querido Sr. Laks continuará sendo referência para os trabalhos acadêmicos sobre o Holocausto, assim como a sua fala não será nunca esquecida pelas crianças e jovens, que tiveram o privilégio de conhecer a sua história.

A verdadeira dimensão de seu valor, ficou evidente no destaque dado à sua morte, pelos principais meios de comunicação do país.

Dizem que nós brasileiros temos uma memória curta, assim como alguns dos nossos historiadores.

Daí a importância de homenagearmos esse homem, que, como ele mesmo contava, chegou à nossa cidade, meio por acaso, para disseminar entre nós a narrativa da maior tragédia que a humanidade produziu, levando todos a gritar junto com ele:

HOLOCAUSTO NUNCA MAIS!

Jerson e Sergio Laks, filhos do homenageado, subiram ao palco para acenderem as velas em memória de seu pai.

O Rabino Yehoshua Goldman, do Beit Lubavitch, recitou o Salmo de David – MICHTAM LE DAVID – e logo após os filhos recitaram a oração do Kadish.

Luiz Maierovitch, presidente da Hebraica e anfitrião da noite, fez uma saudação aos presentes.

O presidente da Federação Israelita do Estado do Rio de Janeiro – FIERJ, Paulo Maltz, falou sobre a importância do trabalho de esclarecimento que foi desenvolvido pelo homenageado.

A Desembargadora Denise Levy Tredler, representando a Associação B’nai Brith do Rio de Janeiro, da qual Laks era membro, proferiu emocionadas palavras sobre seu companheiro de lutas.

Representando o Estado de Israel, falou o Cônsul Honorário no Rio, Osias Wurman.

 

Fernando Lotemberg, Presidente da CONIB, Confederação Israelita do Brasil, entidade maior da comunidade judaica brasileira fez a sua saudação enaltecendo o trabalho de Laks a nível nacional.

 

Sr. Laks realizou palestras sobre o Holocausto em dezenas de escolas, mas com o Colégio Cruzeiro, de origem alemã, ele acabou desenvolvendo um relacionamento especial. Representando esta escola, falaram os alunos Oliver Toni e Maria Gabriela Socci.

A escritora Toba Sender, autora do livro “O Sobrevivente”, que conta a trajetória do Sr. Aleksander Laks desde a Polônia até o Brasil, foi a oradora seguinte a relatar sua convivência com o homenageado.

Representando o colégio TTH-Barilan, falou a jovem aluna Debora Ferman.

Durante seu estreito relacionamento com o Colégio Corcovado, o Sr. Laks tornou-se grande amigo do educador alemão Christian Lanyi. Christian, atualmente está de volta à Alemanha, mas fez questão de vir ao Rio para comparecer a esta cerimônia. Christian fez um testemunho do trabalho de Laks e presenteou a família com uma obra de arte produzida por um importante artista alemão em homenagem a Laks.

Por vários anos, o Sr. Aleksander Laks presidiu a Associação Brasileira de Sobreviventes do Holocausto, tendo como vice-presidente Fred Glatt, ele também uma vítima da perseguição nazista que refez sua vida no Brasil. Fred Glatt, a quem Laks considerava parte de sua família, falou em nome de todos os sobreviventes e não conteve a emoção durante seu pronunciamento.

Representando o Colégio A. Liessin Sholem Aleichem, falou a aluna Julia Turnovski.

 

O Rabino Sergio Margulies, da Associação Religiosa Israelita, fez sua homenagem a Laks e tocou o shofar por um bom Ano Novo Judaico que se iniciará no próximo mês de setembro.

 

Representando o Hillel Rio, falou a jovem Carol Endebo.

Em seu trabalho como educador sobre o Holocausto, o Sr. Laks fez diversos amigos, em especial um grupo de professores que com ele reunia-se regularmente para animadas conversas. O Professor Marcio Hilario, um dos integrantes deste grupo, foi o orador indicado pelos amigos.

Representando os jovens da comunidade falou Breno Carvalho, Presidente do Conselho Juvenil do Rio de Janeiro.

Representando o Colégio Eliezer Max, falou a aluna Rafaella Arcader.

 

O Coral Israelita Brasileiro, regido pelo Maestro Abram Rumchinsky, interpretou em homenagem ao Sr. Laks, a canção VAISSE BLUMEN, cuja tradução é: “ Flores Brancas espalhadas. Aos trinta dias de sua morte. Flores Brancas espalhadas após tanto sofrimento, descanse em Paz.

Logo após entoou o Hino dos Partizans. A versão transliterada da letra em ídishe foi exibida no telão para que todos pudessem acompanhar cantando juntos.

Jerson Laks, um dos filhos de Aleksander Laks, falou em nome de sua família, agradecendo todas as homenagens que foram feitas à memória de seu pai.

O Rabino Eliezer Stauber, da Sinagoga Kehilat Yaacov de Copacabana, entoou a oração de El Malé Rachamim.

É nossa missão, a partir de agora, continuar o incansável trabalho de Aleksander Henrik Laks Z’L.

HOLOCAUSTO NUNCA MAIS !

(Texto Fierj e Rua Judaica)

www.ruajudaica.com

Anúncios