Escolas Cristãs de Israel entram em greve para protestar contra os cortes do financiamento público. Os manifestantes atribuem os cortes a discriminação religiosa.


Quarenta e sete escolas cristãs de Israel estão entrando na segunda semana de uma greve de duração indeterminada para protestar contra os cortes em financiamentos do governo, eles atribuem a discriminação do governo contra grupos religiosos minoritários.

As escolas, 40 delas católicas, ensinam 33.000 estudantes árabes cristãos e muçulmanos nas regiões central e norte de Israel

Funcionários de diversas denominações cristãs convocaram a greve em 31 de agosto, após quase dois anos de negociações com o Ministério da Educação não conseguiram convencer o governo a restabelecer o financiamento  retirado das escolas semi-privadas do país durante os últimos seis anos.

Escolas cristãs em israel

O financiamento já cobriu até 75 por cento dos custos de funcionamento destas escolas. Hoje esse número caiu para 29 por cento, de acordo com o Patriarcado Latino de Jerusalém.

Em 6 de setembro, milhares de pais, alunos e professores, demonstraram seu descontentamento em frente ao escritório do primeiro-ministro em Jerusalém para exigir o mesmo nível de financiamento que o governo fornece a duas redes escolares judaicas ultra-ortodoxas que, como as escolas cristãs, não fazem parte do o sistema escolar público.

Cerca de 450 mil estudantes árabes em escolas públicas não-cristãos realizaram uma greve de solidariedade de um dia. Escolas judaicas de Israel são apoiadas por partidos políticos ultra-ortodoxos do governo de coalizão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu…

“Nossos filhos são israelenses e devem ter os mesmos direitos “, disse o reverendo Abdel Masih, diretor-geral da Escola Católica em Israel.

Wadie Abunassar, um conselheiro para a Igreja Católica, disse que a crise orçamentária das escolas cristãs é parte da “discriminação sistemática” do governo israelense para com as minorias do país. Os cristãos compreendem apenas 2 por cento da população de Israel, enquanto os muçulmanos compreendem cerca de 20 por cento.

“Isto não é aceitável em um país que afirma ser a única democracia no Oriente Médio”, disse Abunassar.

O Ministério da Educação disse em um comunicado que as escolas cristãs “são tratadas da mesma forma como outras instituições não oficiais… alega que são realizadas “reuniões permanentes com representantes das instituições educacionais cristãs”.

Durante os últimos seis anos os cortes orçamentários do governo atingiram as escolas semi-privadas, conhecidas como “escolas não oficiais, mas reconhecidas”, diminuindo significativamente o financiamento para as suas despesas operacionais…

Durante as negociações as escolas cristãs rejeitaram a sugestão do ministério para tornar-se “escolas especiais” – um estatuto que lhes permita cobrar aumentar a taxa de matrícula, mas não receber financiamento adicional do governo – “porque isso vai colocar uma carga pesada sobre os pais”, disse o escritório católico em  um comunicado no dia 31 agosto…

Tradução livre de Herança Judaica

POSTADO 10 de setembro de 2015
BY MICHELE Chabin © 2015 Religion News Service

(http://www.adventistreview.org/world-news/story-israeli-christian-schools-strike-to-protest-cuts-in-public-funding)

Anúncios