A Casa do Oleiro


Sexta-feira

 

A figura do oleiro e do barro, especialmente como aparece em Romanos 9, introduz a importante questão de como devemos compreender os atos de D’us. Com frequência, obviamente, o fato é que não os compreendemos. Isso não deveria nos surpreender, não é mesmo? Leia Yesha’yahu 55:8. Como seres humanos, somos muito limitados no que podemos conhecer sobre qualquer coisa, quanto mais sobre os caminhos de D’us! O que possuímos é a Besorá, que nos dá abundantes razões para confiar nEle e em Seu amor, mesmo quando o que acontece em Seu mundo não faz sentido algum para nós. “para muitas mentes, a origem do pecado e a razão de sua existência são causa de grande perplexidade. Veem a obra do mal, com seus terríveis resultados de miséria e desolação, e põem em dúvida como tudo isso possa existir sob o reinado de um Ser que é infinito em sabedoria, poder e amor. Eis um mistério, para o qual não encontram explicação. E, em sua incerteza e dúvida, tornam-se cegos para verdades plenamente reveladas na palavra de D’us, e essenciais à Yeshuah [salvação]” (O Grande Conflito, p. 492 contextualizado).

oleiro 2

Perguntas para reflexão

1. Que desafios a ideia da absoluta soberania de D’us apresentam para nós com respeito à questão do pecado [mal]? Como o cenário do grande conflito nos ajuda a compreender as questões difíceis, pelo menos em parte?

2. Que outros símbolos você encontra na Bíblia? por que D’us usa símbolos? Quais são as vantagens do seu uso?

Leitura

Chumash parashat Chayê Sará, 6ª Alyá (Genesis 25:1-25:11) Tehilim 113-118;

Leitura Reavivados por Sua Palavra: B’midbar 1 Leitura Anual: Atos 1–3

Anúncios