Ya’akov e Esav


A luta entre os propósitos de D’us e a rebelião individual avançou um pouco mais na história de Ya’akov e Esav. Era costume na época dos patriarcas que o filho primogênito recebesse a bênção do pai (o direito de primogenitura) antes da morte do pai. Isso incluía mais do que as posses familiares; assim, o filho mais velho se tornava o responsável pelo bem-estar da família. Esav odiou seu irmão Ya’akov após ser enganado e perder essa grande honra, e planejou matá-lo depois que o pai morresse (B’reshit [Gn] 27:41). Rivkah enviou Ya’akov para longe por medida de segurança, pensando que tudo ficaria bem novamente após alguns dias (B’reshit [Gn] 27:43, 44). Esses dias se transformaram em 20 anos, e Rivkah nunca mais viu Ya’akov.
5. Leia B’reshit [Gn] 28:12-15. Que grande esperança foi encontrada nesse sonho?
Ao repetir as promessas feitas a Avraham, D’us assegurou a Ya’akov que os planos continuavam em andamento. Embora os atos de Ya’akov parecessem ignorar o plano de D’us, O Eterno ainda Se importava com ele. Contudo, Ya’akov teve que suportar 20 anos sendo enganado por seu sogro, primeiro em relação ao seu casamento, depois a respeito de seu salário (B’reshit [Gn] 29:20, 23, 25, 27; 31:7). Contudo, numa estranha reversão, todos aqueles anos trabalhando em troca da esposa pareceram apenas poucos dias, o tempo que Rivkah achava que Ya’akov ficaria longe dela (B’reshit [Gn] 29:20). Quando Ya’akov decidiu voltar para casa, primeiramente Lavan o perseguiu (B’reshit [Gn] 31:25, 26), depois Esav partiu ao seu encontro com 400 homens. Ambas as situações representavam uma ameaça à sua vida, e D’us teve que intervir duas vezes para livrá-lo: primeiramente, num sonho dado a Lavan, para dizer a ele que não fizesse mal a Ya’akov (B’reshit [Gn] 31:24); depois, em pessoa, para lutar com Ya’akov, deixando-o aleijado (B’reshit [Gn] 32:24-30).

Jacó

O fato de ver Ya’akov mancando pode ter dado a Esav a impressão de que Ya’akov não representava ameaça para ele. Os presentes foram enviados de antemão e, juntamente com a maneira cuidadosa pela qual Ya’akov falou, tudo pareceu suficiente para curar o rompimento entre os dois irmãos. A última vez em que os vemos juntos é no sepultamento do pai (B’reshit [Gn] 35:29). Assim, Esav havia se esquecido do plano anterior que tinha feito de matar Ya’akov após o funeral de seu pai.
Considere toda a dor e sofrimento que essas escolhas tolas trouxeram as pessoas, tanto as inocentes quanto as culpadas. Como podemos aprender a pensar muito antes de agir?

Estudo Diário
Leitura Chumash parashat Bô, 4ª Alyá (Shemot [Êx] 11:4-12:20) Tehilim 18-22; Leitura reavivados por Sua Palavra: D’varim [dt] 33 Leitura Anual: B’reshit [Gn] 40–42

Anúncios