Não julgueis


Yeshua pronunciou a derashá do monte no princípio de seu ministério. Ele foi revolucionário. para começar, Ele disse às pessoas comuns que elas eram valorizadas e bem-aventuradas (Ashrey) aos olhos de D’us (Mattityahu [mt] 5:312), e que elas eram sal (Mattityahu [mt] 5:13) e luz (Mattityahu [mt] 5:14-16), duas coisas altamente valorizadas. Ele falou sobre a importância da lei de D’us (Mattityahu [mt] 5:17-19), mas advertiu contra a tentativa de impressionar outros com o bom comportamento (Mattityahu [mt] 5:20). Yeshua ainda enfatizou que a moralidade é determinada pelo que a pessoa pensa, não apenas por seus atos (Mattityahu [mt] 5:21-28), embora devamos ter cuidado em relação aos atos (Mattityahu [mt] 5:29, 30). Quando lemos todo a derashá, podemos ver que Ele abrangeu toda a gama da existência e dos relacionamentos humanos (Mattityahu [mt] 5–7:27).
4. Leia Mattityahu [mt] 7:1-5. de que forma a realidade do grande conflito é revelada nesse texto? Como a luta entre o bem e o mal é manifesta ali?
“‘Não julguem, para que vocês não sejam julgados.’” (Mattityahu [mt] 7:1). Não vos julgueis melhores que outros homens, nem vos exalteis como seus juízes. uma vez que não podeis discernir os motivos, sois incapazes de julgar um ao outro. Ao criticar uma pessoa, estais sentenciando a vós mesmos, pois mostrais ter parte com hasatan, o acusador dos irmãos. O Eterno diz: ‘Examinem-se para saber se estão vivendo a vida da confiança. provem-se.’ (2 Coríntios 13:5). Eis nossa tarefa” (O desejado de Todas as Nações, p. 314 contextualizado).

Jesus e a Torá

Quando Yeshua disse aos Seus ouvintes que não julgassem, apresentou duas ideias importantes. A primeira é que julgamos os outros porque fazemos as mesmas coisas que estamos condenando (Mattityahu [mt] 7:1, 2). Tiramos a atenção de nós mesmos e garantimos que todos ao nosso redor olhem para a pessoa que estamos condenando, e não para nós. A outra ideia que Yeshua apresenta é que, com frequência, o problema que vemos em outros é pequeno em comparação com o nosso próprio, um problema do qual podemos nem mesmo estar conscientes. É tão fácil ver um cisco no olho dos outros, mas somos incapazes de ver a grande trave de madeira que está no nosso olho.
Qual e a diferença entre julgar alguém e julgar seus acertos ou erros? Por que e muito importante fazer essa distinção?

Leitura

Chumash parashat Terumá, 4ª Alyá (Shemot [Êx] 26:15-26:30) Tehilim 1-9;

Leitura reavivados por Sua palavra: Shoftim [Jz] 3 Leitura Anual: Vayikrá [Lv] 26, 27

Anúncios