O martírio de Estêvão


No I século da era comum (e.c.), os talmidim não foram os únicos a ser confrontados por alguns líderes religiosos. Estêvão, que era “cheio de graça e poder(Chen v’Chesed hashem e Ko’ach), realizava grandes milagres e sinais (otot e moftim gedolim) em meio do povo” (Atos 6:8), foi conduzido à presença deles. Na verdade, seu testemunho foi tão poderoso que seus oponentes da Sinagoga “dos Libertos” – composta pelos judeus de Cirene e de Alexandria, da Cilícia e da província da Ásia fabricaram histórias falsas e incriminadoras a respeito dele, devido às quais ele foi levado perante o sanhedrin (Atos 6:9-14). 4.

Estevam

Em Atos 7:2-53, Estêvão deu uma poderosa resposta àqueles que o acusavam. Eles “ficaram furiosos” (Atos 7:54), isto é, se sentiram culpados diante das palavras dele. Em Atos 2:37, outras pessoas se sentiram culpadas ao ouvir uma acusação semelhante. Qual foi a diferença na reação ao sentimento de culpa, e o que isso nos diz a respeito de como é essencial ter um coração submisso diante de D’us?
Até então os emissários haviam desafiado alguns os líderes e escapado da punição, mas quando Estêvão tentou fazer o mesmo, foi morto por uma turba enfurecida. A morte de Estêvão marcou o início de um esforço concentrado da parte de hasatan para eliminar a propagação das boas novas de Yeshua como Mashiach. Até esse ponto, os seguidores de Yeshua haviam sido perseguidos e ameaçados, porém Estêvão foi o primeiro a ser morto. mas o que eles esperavam? Se hasatan conseguiu inspirar alguns líderes a executar Yeshua, seus seguidores certamente não devem ter esperado que com eles fosse diferente. Naturalmente, ao longo de todo o grande conflito, o Eterno, vez após vez, trouxe vitória a partir do que muitas vezes parecia derrota.

Não foi diferente nesse caso. “depois da morte de Estêvão, Sha’ul foi eleito membro do conselho do Sanhedrin, em consideração à parte que havia desempenhado naquela ocasião. durante algum tempo foi instrumento poderoso nas mãos do adversário para promover sua rebelião contra o Filho de D’us. Logo, porém, esse implacável perseguidor deveria ser usado para fortalecer a Kehilá que agora estava combatendo. Alguém, mais poderoso que hasatan, escolheu Sha’ul para tomar o lugar do martirizado Estêvão, a fim de proclamar e sofrer pelo seu nome e propagar extensamente as novas da Yeshuah por meio de seu sangue” (Atos dos Apóstolos, p. 102 contextualizado). As vezes vemos o bem resultar do mal. Isso e ótimo. O que fazemos, porem, quando percebemos que o mal resulta em um mal ainda maior?

Leitura Chumash parashat Ki Tissá, 4ª Alyá (Shemot [Êx] 33:17-33:23) Tehilim 77-78; Leitura Reavivados por Sua Palavra: Shoftim [Jz] 17 Leitura Anual: B’midbar [Nm] 35, 36

Anúncios