O Significado do Nome Jesus/Ieshua


 

O nome “Jesus”, como se sabe, é simplesmente uma forma latina do grego “Iesous”. Na verdade, Iesous não é originalmente um nome grego, e sim uma forma grega de um nome hebraico, “Yehoshua” (o “Yoshua” bíblico) que significa “o ETERNO (…) é salvação”. Não é difícil perceber como a mudança de Yehoshua, que no linguajar coloquial era às vezes abreviado para Yeshua ou até mesmo Yeshu} foi transliterado para o grego Iesous e o latim Jesus. Infelizmente, no movimento do nome Yeshua das suas formas originais para chegar às várias línguas usadas pelos cristãos, e outras, algo importante se perdeu. Em primeiro lugar, os judeus já não usam o nome Ieshua, tampouco os cristãos (na verdade, tanto a forma hebraica quanto a grega desses nomes próprios saem de uso após o século I). [1]

Jesus e a Torá

Como resultado disso, “cristãos e judeus pensam em Jesus como sendo o nome de alguém não judeu. Estes fatos simples tendem a isolar os cristãos da raiz principal de sua religião, a tradição hebraico-judaica. Por outro lado, tendem também a isolar os judeus de um filho muito importante dessa tradição, e que se tomou o judeu que mais influência exerceu em toda a história, superando em termos de impacto histórico até mesmo gigantes como Moisés, Davi, Marx, Freud e Einstein.

O nome Ieshua é formado de duas partes. A primeira, “Ye”, é a forma abreviada do nome próprio hebraico de D’us, (…). A segunda, “shua”, é palavra hebraica que significa salvação”.[2]

 A palavra salvação, porém, é uma palavra que, em larga medida, tem sido alterada de maneira significativa na tradição cristã, no seu significado na tradição israelita e no seu significado original em grego e em latim. Na maioria dos casos, foi revestida do significado restrito desde o séc. III a.C., a saber, que quando aqueles que creem em Cristo morrem, se permaneceram fiéis, vão para o céu. Mas esse não é todo o significado básico da palavra. Na sua forma latina “salvamento”, ela se origina da raiz “salus” (a forma grega é “soterion/soteria” de “saos”) que quer dizer inteireza, saúde ou bem-estar—daí salutar e saudável em português. O mesmo se aplica à raiz germânica da palavra “heil” que adjetivamente também significa sadio, são, curado, saudável. Com efeito, é essa a origem da palavra “santo/a” em português, vinda do latim. Isso é mais evidente na forma apocopada “são”. Ser santo significa ser sadio, levar uma vida sadia, plena. Quando vivemos uma vida sadia, plena, somos santos, alcançamos a salvação, a plenitude.[3]

O nome Ieshua significa, portanto, o ETERNO (…) é salvação, saúde; e o nome (…) é o nome próprio do D’us único, criador de tudo quanto existe. Estamos hoje tão habituados ao conceito de monoteísmo que não nos damos conta da extraordinária ruptura que esse discernimento representou na história da humanidade. Teve vastas implicações imediatas sobre a maneira como a pessoa se relacionava com todos os outros seres humanos e com toda a realidade.

Se eu vivesse numa nação que tivesse seu próprio deus ou os seus próprios deuses, e todas as outras nações também tivessem seu deus ou deuses, as regras éticas desenvolvidas pela religião desse meu deus não seriam necessariamente aplicáveis às pessoas e coisas submetidas a outros deuses. Consequentemente, não haveria uma ética válida para todos os seres humanos e para toda a terra — até se desenvolver a percepção de que havia, de fato, um D’us único criador de todos os seres humanos e de toda a realidade. Assim, portanto, o próprio nome Ieshua é a afirmação de que o ETERNO (…) é a fonte da inteireza para todos os seres humanos, para todas as coisas. É o nome que contém o cerne da grande contribuição do povo hebreu para a humanidade: o monoteísmo ético. É claro que houve muitos hebreus chamados Ieshua, além de Ieshua de Nazaré. Há, porém, algo de especialmente apropriado no fato de que esse nome tivesse sido dado a Ieshua de Nazaré, pois foi por intermédio dele que bilhões de goins vieram à percepção judaica do monoteísmo ético, chegaram até o ETERNO (…), à salvação, à inteireza.

Autor: adaptado de Leonard Swdlier, Jesus Histórico, EP. Págs. 07 a 09.

[1] Ver “Iesous” in Gerhard Kittel, org., Theological Dictionary ofthe New Testament (Grand Rapids, MI: Eerdmans, 1966), vol. III, pp. 284ss.

 

[2] Enquanto o sentido do radical das palavras indo-européias que significam salvação é plenitude, inteireza, o significado do radical da palavra semítica aqui empregada, “shua”, é amplidão, abertura. Salvação significa então o contrário de estar num aperto, em dificuldade; significa estar livre num amplo espaço aberto. Isso o toma próximo, embora não igual, ao sentido do radical indo- europeu.

 

[3] O especialista judeu Geza Vermes confirma que esta concepção de salvação era corrente entre Ieshua e seus contemporâneos, ao salientar que eles vincularam a saúde física e a espiritual: “Na terminologia religiosa um tanto elástica, mas extraordinariamente perceptiva de Jesus, e dos homens espirituais do seu tempo, ‘curar’, ‘expulsar demônios’ e ‘perdoar pecadores’ eram sinônimos intercambiáveis”, Jesus and the World of Judaism (Filadélfia, Fortress Press, 1983), p. 10

Anúncios

Um comentário sobre “O Significado do Nome Jesus/Ieshua

  1. Pingback: Ieshua ou Jesus, ou Ambos? | Revista Virtual Herança Judaica

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s