Refuat Hanefesh רְפוּאַת ה נֶַּֽפשֶׁ e Refuat Haguf רְפוּאַת הַגּוף


Já notamos que Yeshua disse ao centurião que nem mesmo
em Israel havia encontrado uma confiança tão grande. Mas, naquele
exato momento em Israel, um homem havia chegado a um ponto em que seu
desejo de refuat hanefesh  רְפוּאַת ה נֶַּֽפשֶׁ (cura para alma) era muito maior do
que o anseio de refuat haguf  רְפוּאַת הַגּוף (cura para o corpo).
4. Leia Mattityahu 9:1-8. Que grande esperança encontramos nesse relato a
respeito da promessa de perdão para nossos pecados, não importando quais
tenham sido nem o dano que tenham causado? Ver também Romanos [Rm] 4:7;
1Yochanan [1Jo] 1:9; 1Yochanan [1Jo] 2:12
É interessante o fato de que a primeira coisa da qual Yeshua tratou quando
o paralítico foi levado à Sua presença foi a condição espiritual do homem.
Yeshua, é claro, sabia exatamente qual era o verdadeiro problema. Apesar do
estado físico miserável daquele homem, O Mashiach sabia que seu mais profundo
problema era a culpa relacionada a uma vida cheia de pecado. Portanto,
sabendo que o homem desejava o perdão, Yeshua proferiu as palavras mais confortadoras para alguém que entende a realidade e o preço do pecado: “Estão
perdoados os teus pecados.” Ellen Gould White declarou: “Não era, entretanto, o
restabelecimento físico que ele desejava tanto, mas o alívio do fardo de pecado.
Se pudesse ver Yeshua, e receber a certeza do perdão e shalom com o Céu, estaria
contente em viver ou morrer, segundo a vontade de D’us” (O Desejado de
Todas as Nações, p. 267 contextualizado).

ande 2

Um sábio muitas vezes falava sobre a confiança suficiente para não ser
curado. Essa é a maior confiança entre todas: quando olhamos para além de
nossas circunstâncias físicas e nos concentramos na vida eterna. Frequentemente,
nossos pedidos a D’eus estão relacionados às nossas necessidades físicas.
Embora Ele Se importe com essas necessidades, em Sua derashá no Monte,
Yeshua disse que devemos buscar “em primeiro lugar o Reino de D’us e a Sua
justiça (Malchut Hashem e Tzidkat Hashem)” (Mattityahu [Mt] 6:33). No fim das
contas, apesar de nossas necessidades físicas imediatas, neste mundo de tantas
coisas temporais e fugazes, é fundamental conservar sempre diante de nós
as coisas eternas.
Sejam quais forem nossas lutas fisicas, mesmo no pior cenário elas serão sempre
e apenas temporais. Por que é fundamental nunca se esquecer dessa verdade?

ESTUDO DIÁRIO
Tehilim [Sl] 66 a 68
Leitura Anual: Malakhim Alef [1Rs] 22 e Malakhim Bet [2Rs] 1
RPSP: Shmuel Bet [2Sm] 17

Anúncios