Participando da Raiz e da Seiva da Oliveira – II Fé e Obras


                Ainda existe uma dicotomia, entre os ensinamentos de Ieshua/Jesus e o Judaísmo, no inconsciente coletivo derivado do período de 1260[1] anos de sincretismo religioso e antissemitismo que resultaram na Inquisição e no Holocausto.  Essa polarização tem de ser rejeitada em nome de uma contextualização não no que fizeram injustamente em nome dEle, mas, naquilo que Ele viveu, ensinou e foi as últimas consequências para provar. O texto que você lerá abaixo é a continuação da pesquisa feita por Leonard Swidler.

enxerto na oliveira

 

                “E quanto àqueles que apresentam a outra variação do mesmo tema, que faria do Cristianismo a religião preocupada não com as obras, mas com a fé, “somente a fé”, e do Judaísmo a religião de “justificação pelas obras”? Sejam eles quais forem, nisto não são seguidores de Ieshua. Segundo Ele, aqueles que estão salvos, que entrarão no Reino de D’us, não são aqueles que afirmam que têm fé, que clamam “Senhor, Senhor!”, mas aqueles que fazem obras pessoais de misericórdia: que dão de comer aos que têm fome, vestem os nus, abrigam os desabrigados, cuidam dos doentes e dos presos. Segundo Mateus, Ieshua ordenou que se fizesse o bem, dizendo: “Pois tive fome e me destes de comer, tive sede e me destes de beber, era forasteiro e me recolhestes, estive nu e me vestistes, doente e me visitastes, preso e viestes ver-me” (Mat. 25:35,36). Entretanto, isto encontra um paralelo na Bíblia Hebraica mais antiga e em escritos rabínicos posteriores. O rabi Hama, filho do rabi Hanina (rabi palestinense do século III) dizia que devíamos imitar a D’us:

  • Assim como ele veste os que estão nus… (Bereshit/Gên. 03:21) também vós deveis vestir aqueles que estão nus.
  • O Santo… visitou os doentes… (Bereshit/Gên. 18:01), assim também vós deveis visitar os doentes.
  • O Santo… consola aqueles que estão de luto (Bereshit/Gên. 25:11) e assim também vós deveis confortar aqueles que estão enlutados.
  • O Santo… sepultou os mortos (Devarim/Deut. 34:06) assim também vós deveis sepultar os mortos.[2]

emuah

                Tiago escreveu: “Assim também a fé, se não tiver obras, será morta no seu isolamento” (Yacov/Tiago 02:17). Deve-se contudo salientar que o ensinamento de Ieshua e de Tiago não é um “ou… ou” polarizador, mas um abrangente “ não só… mas também”. “Já vês que a fé concorreu para as suas obras e pelas obras é que a fé se realizou plenamente” (Yacov/Tiago 02:22). Este é o antigo ensinamento judaico, que está exemplificado nas palavras do profeta Habacuc: “mas o justo viverá pela sua fidelidade” (Hab. 02:04). Tanto a fé, emunah, quanto a confiança em D’us e as obras que fluem naturalmente dessa fé e desse compromisso que sustentam são o que caracteriza o homem e a mulher justos, o judeu e portanto o seguidor de Ieshua.

                Em resumo, Ieshua, enquanto judeu fiel, estava empenhado em afirmar e cumprir a Torah.

Autor: Leonard Swidler, Ieshua, Jesus Histórico, EP, págs. 58 e 59. Editado e contextualizado por Herança Judaica.

[1] Veja Daniel 7:25 “…e os santos lhe serão entregues nas mãos, por um tempo, dois tempos e metade de um tempo”, compare com Apocalipse 12:06 e 14.

[2] Geza Vermes, Jesus and the World of Judaismo, Filadélfia, Fortress, 1983, p. 168.

Anúncios