O CONCEITO ADVENTISTA DA RELAÇÃO BÍBLIA-MÉDICO-PACIENTE E A MENSAGEM KOSHER[1] DE REFORMA DE SAÚDE


              Cientistas têm viajado pelo mundo em busca da longevidade, um grupo deles financiado pelo Instituto Nacional do Envelhecimento, dos Estados Unidos, visitou há anos atrás regiões cuja população tem uma vida significativamente mais duradoura, como na Sardenha, Itália, Okinawa, Japão e Loma Linda, Califórnia, onde muitas pessoas chegam aos 100 anos numa proporção espantosa.[2]

A Torah fez a Diferença

“…Se ouvires atentamente a voz do Eterno, teu Deus, fizeres o direito a Seus olhos, escutares Seus mandamentos e guardares todos os Seus mandamentos e guardares todos os Seus estatutos, toda enfermidade que enviei aos egípcios não poreis sobre ti, pois Eu sou o Eterno, que te cura”. Bereshit/Gênesis 15:26 (Bíblia Hebraica Sêfer)

                Com 100 anos a adventista Marge Jetton renovou sua carteira de motorista por mais cinco anos. Ela diz que o que a mantém viva é sua fé. “Precisamos de alguém para nos guiar nesta vida, e precisamos de esperança”, diz Marge. “D’us é um amigo que podemos ter”.

                A visão adventista resgatada da Torah destaca a relevância da fé para se gerar uma saúde equilibrada, pois, é Ele que dá a saúde em última análise.  Aceitar Sua vontade para a vida significa que as leis da Torah foram dadas para salvar o homem das doenças físicas e não as do comportamento ou morais.

A Relação Bíblia, Médico e Paciente

                Os adventistas mantêm um sistema mundial de saúde com mais de 100 anos de atuação e mais de 700 unidades espalhadas pelo mundo, em todos os continentes.[3]

Hospitais adventistas

                O papel do médico adventista segue uma orientação[4] bem pontual e assertiva:

                “O médico deve ensinar a seus pacientes que devem cooperar com D’us na obra de restauração. O médico tem uma compreensão sempre crescente de que a enfermidade é o resultado do pecado. Sabe que as leis da natureza são tão verdadeiramente divinas como os preceitos do decálogo, e que unicamente obedecendo-lhes podemos conservar ou recuperar a saúde. Ele vê sofrendo muitos em resultado de práticas nocivas, os quais poderiam ser restituídos à saúde caso fizessem o possível em benefício de sua própria cura. Precisam que se lhes ensine que toda prática destrutiva das energias físicas, mentais ou espirituais é pecado, e que a saúde tem de ser garantida por meio da obediência às leis estabelecidas por D’us para o bem da humanidade.

                Quando um médico vê um doente sofrendo uma doença ocasionada por regime alimentar impróprio, ou outros hábitos errôneos, e todavia deixa de dizer-lhe isso, está fazendo um mal a seu semelhante. Bêbados, maníacos, os que se entregam a licenciosidade, todos apelam ao médico para que lhes declare positiva e claramente que o sofrimento é resultado do pecado. Os que compreendem os princípios da vida deviam ser zelosos em lutar para combater as causas das doenças. Vendo o contínuo conflito com a dor, trabalhando constantemente para aliviar o sofrimento, como pode o médico manter-se em silêncio? É ele benévolo e misericordioso se não ensina a estrita temperança como o remédio contra a doença?

                Torne-se claro que o caminho dos mandamentos de D’us é a vereda da vida. D’us estabeleceu as leis da natureza, mas Suas leis não são arbitrárias exigências. Todo “Não farás”, seja na lei física seja na moral, implica uma promessa. Se obedecemos, a bênção nos seguirá os passos. D’us nunca nos força a fazer o que é direito, mas nos procura salvar do mal e levar-nos ao bem.

torah-1

                Chame-se a atenção às leis ensinadas a Israel. D’us lhes deu definidas instruções quanto a seus hábitos de vida. Deu-lhes a conhecer as leis relativas tanto ao bem-estar físico como ao espiritual; e, sob a condição de obediência, assegurou-lhes:

“E o Eterno afastará de ti toda enfermidade, e não porá em ti nenhuma

das doenças más do Egito…”

Devarim/Deuteronômio 07:15 (Bíblia Hebraica Sêfer)

“Aplicai o vosso coração a todas as palavras que hoje testifico entre vós.”

Devarim/Deut. 32:36 (idem)

“Pois são vida para quem as segue e saúde para todo o corpo. ” 

Mishlê/Provérbios 04:22 (idem)

                O Movimento religioso adventista que reúne uma diversidade de pessoas ao redor do mundo, inclusive em Israel e muitos são judeus, surgiu no final do século XIX nos Estados Unidos resgatando uma herança a muito perdida entre os religiosos, os princípios de saúde da Torah através de um estilo de vida kosher reformador. John Harvey Kellogg era um adventista quando começou a fabricar flocos de milho, corn flakes,  os sucrilhos. Assim, os adventistas sempre pregaram e praticaram a saúde sob um ponto de vista religioso oriundo principalmente da Bíblia Hebraica.

sucrilhos kelloggs-730g-tp_9056839571451723811f

                A Mensagem Kosher Adventista avança em muitos pontos, por exemplo condena o consumo do fumo e do álcool e dá destaque as leis dietéticas escritas por Moisés e acatam as mitzvot de não comer a carne de animais impuros, tais como a carne de porco, peixes de couro ou pele, etc. Também desestimulam o consumo de outras carnes, alimentos muito gordurosos, bebidas com cafeína e condimentos e temperos considerados ‘estimulantes’.

                ‘Cereais, frutas, verduras e nozes constituem a alimentação escolhida para nós pelo Criador’, escreveu Ellen Gould White, uma das figuras que ajudaram a restaurar a mensagem kosher de saúde. Os religiosos também guardam o Shabatt, de pôr do sol a pôr do sol, realizando um culto religioso tanto para receber quanto para se despedir do dia santo. A ênfase na guarda do sábado resgata a prática dos crentes primitivos em Yeshua, e os aproximam muito dos judeus ao receber as bênçãos do Eterno, quanto a sofrer o preconceito e antissemitismo da população em geral.

alimentos saudáveis

                Com uma visão kosher ampliada, enxergam já no livro de Bereshit/Gênesis o plano alimentar original de Hashem ao criar a humanidade:

“E D’us disse: “Eis que vos tenho dado erva que dá semente que está sobre a face de toda a terra, e toda árvore em que há fruto de árvore que dê semente; vos será para comer…e comerás a erva do campo…” Bereshit/Gênesis 01:29 e 02:18. (Bíblia Hebraica Sêfer)

                Com isto em mente descobriram na prática que seu estilo de vida afetava sua longevidade e qualidade existencial, por ironia, a preocupação com o “espírito” resultou em vida longa do “corpo”. Assim, com a Bíblia na cabeça, o risco de contrair cânceres e doenças cardíacas diminuiu muito, o hábito adventista de consumir feijão, leite de soja, tomate e frutas, comer pão de trigo integral, tomar cinco copos de água por dia e consumir quatro porções de nozes por semana reduz as probabilidades de doenças cardíacas e diminuía o perigo de desenvolver certos tipos de câncer.                 “O adventista médio vive de quatro a dez anos mais que o californiano médio”, diz o Dr. Gary Fraser, da Universidade Adventista de Loma Linda.[5]

 Rosh Wladimir. 

[1] Kosher literalmente significa ”próprio ou correto”. É o termo usado para descrever o alimento permitido de acordo com as leis alimentares judaicas. Os detalhes de kashrut (o conjunto de leis relativos a comidas e bebidas) são muito extensos.

[2] http://viajeaqui.abril.com.br/materias/national-geographic-novembro-de-2005-edicao-68

[3] http://hospitaisadventistas.com.br/

[4] Ellen Gould White, A Ciência do Bom Viver, págs. 113 e 114. CPB.

[5] Ibdem.

 

Anúncios