JUDEUS NEGROS DE UGANDA SONHAM COM RECONHECIMENTO POR ISRAEL


 

 

Numa sala iluminada por velas em um pequeno vilarejo de Uganda oriental, o rabino Gershom faz Kidush sobre o vinho no início do jantar de Shabat com sua esposa, Tzieorah, e remove um pano cobrindo o pão challah. “Shabat Shalom!”, e faz chorar os hóspedes que chegam. A cena é reconhecível para cada família judaica – exceto o prato principal que é estufado de cabra e purê de banana verde com abacaxi doce e fresco do jardim. Gérson é o líder espiritual do Abayudaya, uma pequena comunidade de judeus africanos que vivem perto da cidade de Mbale, onde as bordas íngremes do Monte Elgon marcam a fronteira nas proximidades com o Quênia. Eles esperam que o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que visitou a Uganda, irá promover o início de maiores laços com a comunidade judaica em geral. O fundador do grupo era um oficial militar, Semei Kakangulu, que foi convertido por missionários cristãos, mas depois passou para o judaísmo, no início do século 20. “Ele descobriu a verdadeira religião e o verdadeiro dia de sábado, que a circuncisão é obrigatória e começou a seguir as leis dietéticas de kashrut. Ele se tornou um judeu”, diz Joabe Jonadabe, o prefeito local e irmão de Gérson. Existem mais de 8.000 seguidores do judaismo no país.

www.ruajudaica.com

Anúncios