Shekel a Roma


7. Leia Mattityahu [Mt] 17:24-27. O que o acontecimento relatado nesse texto
nos diz sobre Yeshua?
Embora fosse exigido que todos os judeus pagassem o imposto do templo (de
meio Shekel), os kohanim, levitas e rabbis eram isentos dele. Assim, quando
perguntaram se Yeshua pagava o imposto, estavam desafi ando Seu ministério.
Ellen Gould White escreveu que, naquela ocasião, Kefa perdeu uma oportunidade,
de testemunhar sobre a absoluta autoridade do Mashiach. “Por sua resposta
ao coletor de meio shekel, de que Yeshua pagaria o tributo, havia sancionado,
virtualmente, o falso conceito que os kohanim e principais líderes estavam procurando
espalhar a seu respeito. […] Se os Kohanim e levitas estavam isentos,
em virtude de sua ligação com o templo, quanto mais aquele para quem o templo
era a casa de Seu Pai!” (O Desejado de Todas as Nações, p. 433, 434 contextualizado).
Podemos aprender muito com a misericordiosa resposta de Yeshua a Kefa.
Em vez de humilhá-lo, O Mashiach explicou gentilmente o erro do talmid. Além
disso, Yeshua Se adaptou de maneira muito criativa ao curso de ação que Kefa
havia seguido. Em vez de simplesmente pagar o imposto, reconhecendo assim
que era obrigado a fazê-lo, O Mashiach obteve o dinheiro para o imposto de outra
forma: da boca de um peixe.

shekel.jpg

Aquele milagre foi incomum; foi a única vez em que Yeshua realizou um
milagre que, aparentemente, foi para seu próprio benefício. Mas esse não era o
propósito do milagre. O prodígio foi uma demonstração da autoridade que
Yeshua tinha, não só sobre o templo, mas também sobre toda a criação. Do ponto
de vista humano, deve ter sido difícil tentar entender de que maneira Yeshua
realizou esse milagre. Apesar de todas as coisas que Kefa já tinha visto, você
pode imaginar o que ele deve ter pensado quando lançou o anzol, pegou seu
primeiro peixe e achou a quantia necessária para pagar o imposto do templo?
(Ver Yeshayahu [Is] 40:13-17.)
Embora não fosse necessário que Yeshua e Seus talmidim pagassem o imposto
do templo, eles pagaram assim mesmo, para evitar controvérsias desnecessárias.
Como reduzir a importância das situações, especialmente no que diz respeito as
coisas que não são absolutas, para evitar conflitos desnecessários?

Beth Midrash 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s