O Messias, Filho, Unigênito, Primogênito, Principio?


          A Bíblia é um paradoxo, ao mesmo tempo que é simples e tem o poder de tocar e transformar vidas, ela se mostra complexa, profunda e difícil.

          Quais seriam as regras de interpretação? O que deve ser entendido literalmente? O que é simbólico ou alegórico especificamente nas palavras Filho, Unigênito, Primogênito e Princípio, aplicadas ao Mashiach?

          O texto abaixo é uma adaptação de uma pesquisa feita por um de nossos sábios, um antigo professor de teologia já falecido, espero que seja útil.

               A Bíblia não é um livro atemporal, ela foi escrita dentro de um contexto social, cultural, econômico, literário, político e naturalmente religioso, por este motivo é necessário alguns cuidados.

  1. A Bíblia interpreta a própria Bíblia, uma passagem lança luz sobre outra passagem.

  2. Sempre ter em vista o contexto local, histórico e cultural. Ler o que está antes e o que vem depois para concluir aquilo que o autor tinha em mente.

  3. Primeiro procura-se o sentido literal, a menos que a própria passagem dê evidências que o sentido é figurado.

          Selecionar textos literais e arbitrariamente transformá-los em alegoria profética, é impor a Bíblia aquilo que ela não tinha intenção de comunicar, com este método comparando textos pode-se “provar” aquilo que Jeová não queria comunicar, é acrescentar a Bíblia um significado que ela não tem, e é também retirar da Bíblia aquilo que ela realmente quer comunicar, isto é alegorização.

 

O Mashiach, Filho de Deus

salmos 3

Salmo 89:26 e 27

            No sentido literal, este texto bíblico é um Salmo ao Eterno, Rei do Universo, vs.01-18, e uma evocação das promessas feitas a Davi e à sua descendência, vs. 19-37, e servem de base para uma súplica em favor do rei, vs. 38-52.

       O Messias seria profeticamente designado FILHO de Deus conforme eram designados os reis de Israel:

“Escolhi David, Meu servo, e com meu sagrado óleo o ungi. Minha mão lhe será sempre amparo e Meu braço o fortalecerá… Ele me invocará dizendo: És meu Pai, meu Deus, a rocha de minha salvação! ”  Eu o constituirei Meu primogênito, supremo sobre todos os reis da terra. ”    Salmo 89:21-28… Bíblia Sêfer.

       O que esse texto diz?

Literalmente:

       Que Davi, ao ser ungido, passava de simples israelita, para o status de filho primogênito, Rei de Israel, e Deus seria seu Pai.

Davi REI 2

Profeticamente:

       O Messias, que seria da tribo de Judá e descendente do Rei Davi, herdaria seu trono e receberia o mesmo status de Davi, isto é, Filho de Deus.

Cumprimento profético na vida de Jesus:

 “Mas o anjo lhe revelou: “Maria, não temas; pois recebeste grande graça da parte de Deus. Eis que engravidarás e darás à luz um filho, a quem chamarás pelo nome de Jesus. Ele será Grande, e será chamado Filho do Altíssimo. O Senhor Deus lhe dará o trono de seu pai Davie Ele reinará para sempre sobre o povo de Jacó, e seu Reino nunca terá fim”. Lucas 01:30-33. KJA

       O verso 35 confirma o cumprimento profético do menino que iria nascer:

       “O anjo lhe disse em resposta: “Espírito santo virá sobre você, o poder do Altíssimo a cobrirá com a sua sombra. E, por essa razão, aquele que nascer será chamado santo, Filho de Deus. ” Idem.

       Paulo confirma que Jesus fora empossado como Rei Messiânico de Israel, daí que tornou-Se Filho, isto é, foi chamado, empossado, designado e por fim “declarado Filho de Deus”, leia o texto abaixo:

“…a respeito do seu Filho, que veio da descendência de Davi segundo a carne, mas que, com poder, foi declarado Filho de Deus…” Rom. 01:03 e 04.

Salmo 02:06 e 07

Ele dirá: “Eu mesmo empossei o meu rei. Em Sião, meu santo monte.” Proclamarei o decreto de Jeová; Ele me disse: “Você é meu filho; Hoje eu me tornei seu pai.

Salmos

              O Salmo 2 é reconhecido como um cântico de coração dos reis de Israel e ali o Rei é apresentado como sendo “gerado por Deus”.

                 Em I Crônicas 17:11 a 13, quando o Eterno fez a promessa ao Rei Davi de um sucessor ao seu trono foi dito o seguinte:

“Eu lhe serei como um pai e ele Me será como um filho.”

 Interpretação literal:

       O israelita da tribo de Judá ao ser coroado rei de Israel recebia o título de “Filho”, por causa de sua relação especial e eleição da descendência de Abraão.

Interpretação profética:

       Em Lucas 01:31-35 está o cumprimento, o menino que iria nascer de Maria seria “chamado Filho do Altíssimo”, vs 32 e 35, isto é, seria declarado “Filho” conforme Romanos 01:03 e 04.

       É interpretação errônea dizer que o Salmo 2  refere-se profeticamente ao “pacto do Reino”,  e por isso Ele é o Filho criado que havia estado com Ele por tempo indefinido. O texto não diz isto literalmente e nem no seu cumprimento profético de acordo com Lucas e Paulo.

       É interpretação errônea dizer que estes textos se referem profeticamente a condição de “primogênito”, no Céu, e por isso Ele é o Filho que havia estado com Ele por tempo indefinido, criado antes  do Eterno criar o homem. O texto não diz isto literalmente e nem no seu cumprimento profético de acordo com Lucas e Paulo.

       ISSO É ALEGORISMO IMPONDO UM SIGNIFICADO AO TEXTO QUE ELE REALMENTE NÃO TEM.

 

O Mashiach, o Principio

Apocalipse 03:14

“Ao anjo da congregação em Laodiceia escreva: Estas coisas diz o Amém, a testemunha fiel e verdadeira, o princípio da criação de Deus”.

       Para uma melhor compreensão do assunto seria bom saber qual a palavra grega que foi traduzida por “princípio” e o seu significado nessa língua. A palavra é arquê, e as seguintes autoridades no grego do Novo Testamento nos esclarecem de seus vários sentidos:

The Analytical Greek Lexicon

       O Novo Testamento usa a palavra princípio (arquê) desta maneira:

  1. a) Um princípio – Mat. 24:8;

  2. b) Extremo – Atos 10: 11;

  3. c) Autoridade – Luc. 20:20;

  4. d) Eminência – Judas 6;

  5. e) Dignidade – Judas 6;

  6. f) Principado – Efésios 3:10

GREGO KOINÉ.jpg

       A Greek English Lexicon de Arndt and Gingrich define arquê como: começo, a primeira causa, governador, autoridade, domínio na esfera da influência.

       Theological Dictionary of the New Testament – começo, poder, força, autoridade.

       Dicionário Grego – Português e Português – Grego de Isidro Pereira: princípio, ordem, fundamento, poder, autoridade, magistratura, império, reino.

       Esta palavra é usada pelo menos com três diferentes sentidos:

1º) No sentido temporal – princípio, começo, origem – Lucas 1:2; Mar. 1:1; I João 1:1;

2º) No sentido de posição – príncipe, autoridade, governante, primazia. É empregada com referência a pessoas que ocupam lugares de importância e autoridade. Luc. 12:11; Tito 3:1;

3º) No sentido de origem – originador, iniciador, primeira causa. Josefo em seu livro Contra Apion diz que Deus é o “arquê” de todas as coisas.

       Em Apoc. 21:6 Deus afirma:

“E ele me disse: “Elas se cumpriram! Eu sou o Alfa e o Ômega, o princípio e o fim.”

       O Eterno também é o princípio.

 

O Mashiach, o Primogênito

Colossenses 01:15

“Ele é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação…”

Que significa a palavra primogênito?

       Quase sempre se pensa neste termo com sentido temporal, significando única e exclusivamente o primeiro gerado ou nascido, mas este estudo visa provar que além desta acepção a palavra é usada na Bíblia com o significado de posição de preeminência. Às vezes, primogênito significa um filho amado em grande maneira, o preferido entre os demais. O termo chega a ser usado com o sentido de um qualificativo superlativo: Isaías 14:30 afirma:

“Os primogênitos dos pobres serão apascentados”

       Isto quer dizer: Os mais pobres, os paupérrimos serão apascentados.

       A palavra grega para primogênito é protótokos, significando o primeiro, melhor, mais importante, mais preeminente.

       Com o sentido de mais importante, mais preeminente todos conhecem o título de primeiro ministro, primeira ministra.

       A palavra pode e é usada na Bíblia para a primeira criança que nasce. Gên. 25:25; Num. 18:15; Luc. 2:7; Heb. 11:28.

       Referindo-se a Yeshua/Jesus esta palavra é usada sete vezes no Novo Testamento. Duas vezes, de seu nascimento através de Maria Mat. 1:25; Luc. 2:7. Cinco vezes, não do nascimento físico, mas em sentido figurado.

  • 8:29 – Primogênito entre muitos irmãos;

  • 1:15 – Primogênito de toda a criação;

  • 1:18 – Primogênito dentre os mortos;

  • 1:6 – Deus, introduz o primogênito no mundo;

  • 1:5 – Primogênito dos mortos.

       Destas sete referências ao Messias, a que merece especial atenção é a de Col. 1:15. Notem bem que Paulo não diz que o Filho de Deus foi a primeira criação, mas o primeiro de toda a criação. Na sua relação com Deus, o Messias jamais é chamado primogênito, mas sim unigênito, ou ainda melhor – único, como é visto noutro capítulo desta apostila.

       Será que com a frase – primogênito de toda a criação – Paulo almejava mostrar que Jesus foi o primeiro ser criado, ou que ele é o primeiro em posição? O contexto e a Analogia da Fé, nos provam que não há aqui a ideia de ser o primeiro gerado, mas o que tem a primazia sobre tudo. Col. 1:18.

       Heb. 1:6 nos indica de modo bem claro que a palavra primogênito indica a preeminência de Cristo e o seu domínio sobre todas as coisas.

       O eminente professor de grego nas Universidades de Tennessee e Yale, Isbon T. Beckwith, em seu livro Apocalypse of John, comentando a passagem de Apoc. 1:5 afirma que a palavra “protótokos” em primogênito, tem o sentido hebraico de o mais notável em categoria principesca.

      C. Bruce em seu Commentary on The Epistle to The Hebrews, página 15 nos diz: “Cristo é chamado o primogênito de toda a criação, porque Ele existe antes de toda a criação e porque toda a criação é herança dele.”

       Entre os judeus todo primogênito tinha o direito de reclamar quatro privilégios:

1º) A consagração a Deus. Êxo. 13:2, 13, 15; 22:29;

2º) O direito de sucessão nos poderes paternos. Deut. 21:17;

3º) A bênção especial do pai;

4º) Dobrada porção da herança material paterna. Deut. 21:17.

(Ver: “Primogenitura”, Dicionario de la Santa Bíblia, New York, página 525).

       Se os israelitas infiéis tivessem sido leais a Deus haveriam participado dos poderes da primogenitura em sua forma mais ampla. (Êxo. 4:22 – “Dirás a Faraó: Assim diz o Senhor: Israel é meu filho, meu primogênito.).

1º) Israel foi o único povo da terra consagrado a Deus;

2º) Recebeu uma bênção especial quando saiu do Egito;

3º) O direito de chegar à ser “a cabeça” das nações, como império mundial (Dan. 2:44) e ser reais sumo sacerdotes.

4º) Receber a herança da Canaã Celestial.

       Todos estes privilégios fizeram com que a palavra fosse empregada figuradamente com o significado de preeminência, respeitabilidade, pessoa digna de toda a atenção.

       Temos muitas referências bíblicas que provam esta preeminência, tais como:

  • Gên. 41:50-52 – José tinha dois filhos, sendo Manassés o primogênito, mas Jeremias 31: 9 afirma: “Efraim é o meu primogênito.”

  • I Sam. 16:10-12 – Davi sendo o mais jovem entre sete irmãos foi ungido rei. Sem preeminência cronológica recebeu as prerrogativas do primogênito – Salmo 89:20, 27.

  • I Crôn. 26:10 – Sinri, tampouco era o primogênito, apesar disso foi eleito o principal.

  • Êxodo 4:22 – Moisés devia dizer a Faraó: “Israel é meu filho, meu primogênito.” Esta afirmação indica os privilégios deste povo, que É chamado na Bíblia de escolhido, santo, especial e de muitos outros títulos elogiosos. Deut. 7:6-7.

       Dentre os personagens da Bíblia Hebraica, José e Davi estão entre aqueles que mais se destacaram e não sendo primogênitos pelo nascimento receberam este título em virtude do destacado papel que desempenharam na história do antigo Israel. Ao pensarmos no título de excelência que receberam – primogênito – e sendo eles um símbolo de Cristo, entenderemos melhor porque nosso Salvador, cinco vezes, recebeu dos escritores bíblicos esta nobilíssima menção.

       Citando ainda o mesmo Adão Clarke:

       “Eu o farei Meu Primogênito. Lidarei com ele como um pai o faz com seu filho primogênito, a quem pertence uma porção dobrada das posses e das honras. A palavra primogênito nem sempre tem um significado literal nas Escrituras. Ela muitas vezes significa simplesmente filho benquisto ou mais amado; alguém que se estima acima de todos os outros, e se distingue por alguma prerrogativa elevada. Assim Deus chama Israel Seu Filho, Seu primogênito. Êxodo 4:22. No mesmo sentido ela é, às vezes, aplicada ao próprio Jesus Cristo, para indicar Sua supereminente dignidade”. Adão Clarke, Commentary on the Bible, sobre o Salmo 89:27.

       João nos diz que o Messias é o “primogênito dos mortos” Apoc. 1:5. O primogênito dos mortos foi Abel, porém Cristo é o principal de todos os que têm morrido, o mais amado de Deus entre os mortos ressuscitados. Assim é o “primogênito” de toda a criação (Col. 1:15), não por ser o primeiro ser criado (Ele é um com o Pai Eterno: Isaías 9:6) senão “para que em tudo tenha a preeminência” (Col. 1:18).

       O Messias é o principal de toda a criatura porque é “o Primogênito do Céu” e o Primogênito da Terra: “ao introduzir o Primogênito no mundo, diz: E todos os anjos de Deus o adorem.” (Heb. 1:6).

       O Filho de Deus é o primogênito, porque é “sobre todo principado e autoridade, e poder, e dominação e sobre todo o nome que se nomeia, não só neste século, mas também no vindouro”. Efésios 1:21.

O Messias é o primogênito de Deus porque:

1º) Tem sido eleito: Mat. 3:17; I Pedro 2:4;

2º) Tem recebido a bênção do Pai: Salmo 118:26; Luc. 1:42;

3º) Será sucessor do Pai como juiz: Atos 10:42; e Rei e Senhor do Universo: Lucas 1:32; I Tim. 6:15;

4º) Foi chamado o mais amado do Pai: Mat. 3:17; Luc. 9:35;

5º) Foi exaltado ao máximo por Deus. Fil. 2:9.

       Um dos principais problemas envolvidos com este tema é que a linguagem humana é inadequada, por suas limitações, para expressar conceitos envolvidos com as coisas divinas. Todos os comentaristas têm chegado à conclusão unânime de que a palavra protótokos aplicada a Cristo não significa o primeiro a ser criado. Se Paulo visasse afirmar isto de Cristo ele teria usado o vocábulo protoktistos.

 

 

O Mashiach, o Unigênito

A palavra controvertida neste verso, quanto ao seu real significado, é o termo grego monoguenês, que necessita ser bem estudado para uma cabal compreensão do problema. Monoguenês foi traduzida na Versão do Rei Tiago (KJV) por unigênito, mas na Revised Standard Version (RSV) e na New English Bible (NEB) por único.

Pode a palavra grega monoguenês ser traduzida indiferentemente por unigênito e único? A resposta a esta pergunta encontra-se a seguir.

Monoguenês aparece nove vezes no Novo Testamento:

  • Cinco vezes usada para o Mashiac – João 1:14, 18; 3:16, 18; I João 4:9

  • Quatro vezes para outras pessoas – Lucas 7:12; 8: 42; 9:38; Heb. 11:17.

É uma palavra composta de monos = um, só, único, singular e guénos = espécie; cuja tradução correta deve ser – o único de uma espécie. Não vem do grego gennavw  = gerar, pois se viesse teria dois “nis”, mas sim de givvnomai = tornar-se.

Compreendendo a etimologia da palavra poderemos entender melhor o verdadeiro significado de monoguenês especialmente, ao ser aplicado a Jesus o Messias.

Monoguenês, proveniente de monos (um só, único) e guénos (de guinomai) não se refere a nascer ou ser gerado, mas indica a qualidade inigualável da pessoa a quem se aplica.

Como bem enfatizou Fernando Kattensbruch em seu Dictionary of Christ and the Gospels:

“Não há dúvida de que a expressão ‘unigênito’ indica uma nuança da palavra grega, monoguenês, que raramente é salientada… Quando o Mashiach é denominado monoguenês huios, não se dá ênfase ao fato de que Ele como Filho ‘nasceu’ ou foi ‘gerado’… , mas sim ao fato de que Ele é o ‘único’ Filho, de que como Filho de Deus é sem igual. Os tradutores latinos estavam certos ao traduzirem essa expressão por… Filius unicus (Filho Único), não por Filius unigenitus (filho unigênito)”.

E. Read com bastante justeza asseverou:

“Na verdade, como algumas traduções expressam o pensamento, Jesus de Nazaré, nosso Senhor e Salvador, foi realmente único. Era diferente de qualquer outro ser no universo. Permanece sem igual, como o único que na qualidade de Deus se tornou homem, sendo, enquanto estava na carne, tanto Deus como homem. Ele era ‘Emanuel… Deus conosco’ (S. Mat. 1:23). Era único na Sua relação para com o Pai; em Sua natureza divina; no fato de que revelou o Pai; no fato de que é nosso único Salvador e Redentor; no fato de que era sem pecado, não só em Sua natureza divina, mas também em Sua natureza humana”.

O Filho de Deus chegou à existência humana recebendo vida de maneira diferente dos outros seres, por isso, ele é chamado de Filho Único (Monoguenês).

A palavra grega “monoguenês” pode significar único quantitativamente (filho único) e único qualitativamente (único em sua geração, nascimento singular, único na maneira de chegar a ser ou nascimento milagroso). Ver João 1:14,18; 3:16.

Ele é “Filho Único”, porque o Mashiach é o único que recebeu o título de “Filho de Deus com poder” (Rom. 1:4) e o poder de Deus (I Cor. 1:24). Seu nascimento é único em sua classe, porque nasceu tendo vida própria, portanto foi um milagre…

Vejamos se os dicionários e comentários comprovam a explicação anterior?

Lidell and Scott – único, singular;

Moulton and Milligan – literalmente – único de sua espécie, singular, não unigênito, que é igual a monogevnnhtov

Arndt and Gingrich – único (no gênero) de algo que é o exemplo exclusivo de sua categoria… Na literatura joanina, monoguenês é usado apenas com referência a Jesus. A significação de único pode ser perfeitamente adequada para todas as vezes que aparece ali.

CremerBiblical Theological Lexicon – especial preciosidade, especificamente precioso:

Theological Dictionary of the New Testament, vol. IV, página 739 – significa o supremo predicado da majestade, indicando a máxima prova do amor de Deus para o mundo. Somente João usa monoguenês para descrever a relação de Jesus com Deus. Para esta mesma relação Marcos tem: “O huios mu o agapetós” – Meu filho amado.

Platão declarou que o céu é único (monoguenês) em sua espécie.

A Epístola de Clemente faz alusão a certa ave chamada Fênix da seguinte maneira: Esta é a única (monoguenês) de sua espécie.

Seria interessante achar em hebraico a palavra que foi traduzida na LXX por monoguenês, porque se amplia a nossa compreensão sobre o seu verdadeiro significado. A palavra hebraica equivalente é “Yachid”. Nas passagens onde aparece como Salmos 22:20; 35:17; Amós 8:10 ela é traduzida na KJV, NEB e Almeida Edição Revista e Corrigida pelas expressões: minha querida, minha preciosa vida, predileta, filha único.

Em Lucas 7:12; 8:42 e 9:38 onde se encontra a palavra monoguenês, ela foi traduzida na KJV por único. Em Heb. 11:17, declara: “Pela fé Abraão, quando passou à prova, ofereceu Isaque; estava mesmo para sacrificar o seu unigênito (monoguenês) aquele que acolheu alegremente as promessas”. Onde fala de Isaque a KJV traduz por unigênito e a RSV por único. Sabemos que Isaque não era o unigênito porque tinha um irmão mais velho – Ismael, e mais tarde Abraão gerou outros filhos através de Quetura. Isaque em nenhum sentido foi unigênito, mas sim filho singular, o único de sua espécie, o filho da promessa, visto que Ismael estava fora da promessa (Gál. 4: 22, 23).

Em Gênesis 22:2, no texto hebraico, está “Yachid”, mas na Septuaginta aparece assim: “Toma teu filho querido (agapeton), a quem amas (egapesas) – Isaque.

COMO SURGIU O UNIGÊNITO EM LUGAR DE ÚNICO

Uma pergunta lógica e natural vem à mente de cada um. Quem traduziu monoguenês para unigênito – o único gerado, se a palavra não tem esta significação?

Nas primeiras versões da Bíblia para o latim este termo foi traduzido por “unicus” como nos prova o Códice Vercelence de 365 AD.

O Papa Dâmaso, pediu a Jerônimo, que revisasse as velhas versões latinas das Escrituras, porque já havia muitas variantes de leitura em alguns versos. Em 385 estava pronta a Revisão dos Evangelhos, onde São Jerônimo substituiu a palavra’ “unicus” por “Unigenitus” em virtude de interesse teológico e não gramatical.

A frase que o influenciou parece ter sido uma célebre do Credo de Epifânio – gennhqevnta ek Qeou patrov monogevnh = único gerado de Deus o Pai. Eram necessárias duas palavras desta frase – gennqevnta monogevnh – para dar a ideia de único gerado ou unigênito; mas esta expressão, aliada a outros conceitos do Concilio de Nicéia, levaram Jerônimo a traduzir monoguenês, em João 1:14, 18; 3:16, 18; 1 João 4:9; Heb. 11:17 por “unigenitus”, onde não houve interesse teológico ele conservou “unicus” – Luc. 7:12; 8:42; 9:38.

Unigênito significa único e se o único não é criado, pois se o fosse não seria único, mas apenas mais um entre os chamados filhos de Deus pela criação.

O “unigenitus” da Vulgata influenciou os tradutores da KJV de 1611 e tem influenciado as traduções em português.

O Novo Testamento na Linguagem de Hoje foi feliz em substituir unigênito por único, corrigindo uma impropriedade linguística. Não há neste feito nenhuma inovação, pois simplesmente palmilharam o acertado caminho já antes seguido por Tyndale, em 1525, por Phillips, pelos tradutores da RSV, NEB e outros.

São comuns na Bíblia as expressões: “Filho de Deus” e “Filho do homem” com referência ao Mashiach. Sabemos que “Filho de Deus” descreve a sua natureza divina, confirmando a Sua divindade, enquanto o “Filho do homem” comprova sua natureza humana.

“O título ‘Filho do homem’ assegura-nos que o Filho de Deus realmente veio viver na Terra, como um homem entre os homens, para que Ele pudesse morrer como um homem pela humanidade”.

O estudo da palavra em sua formação etimológica; nos bons dicionários e comentários; na comparação com o hebraico e com a Septuaginta, com o seu uso mesmo fora da Bíblia nos leva à conclusão indiscutível que monoguenês não significa unigênito, mas sim muito querido, o único de sua espécie e que João aplicando-o a Cristo queria indicar que Ele é incomparável e muito amado.

R. Reynolds em seu The Pulpit Commentary (o Comentário do Púlpito) realçou esta verdade da singularidade do Mashiach, relatada em João 1:14, da seguinte maneira:

“A afirmação deste verso, no entanto, é inteira e absolutamente inigualável. O pensamento é completamente novo. Strauss declara-nos que a concepção apostólica de Jesus não tem valor histórico, pelo fato de representar um estado de coisas que não ocorre em nenhuma outra parte da História. É exatamente isto que os cristãos sustentam. Ele, no mais profundo sentido, é incomparável na história da humanidade”.

Os comentários e deduções desta pesquisa nos evidenciam quão significativa é a palavra monoguenês e nos esclarecem bem, para o cuidado que devem ter os responsáveis pela tradução do texto bíblico, para que esta transmita de maneira exata e precisa a ideia do original…

Finalizaremos com a paráfrase de João 3:16  apresentada por W. E. Read:

“Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o Seu filho, Aquele que é incomparável e tão maravilhoso que ninguém O pode descrever, para que todo o que nEle crê não pereça, mas tenha a eterna.”

       NÃO ENTENDER SEU SENTIDO LITERAL E CUMPRIMENTO PROFÉTICO É ALEGORISMO IMPONDO UM SIGNIFICADO AO TEXTO QUE ELE REALMENTE NÃO TEM.

Adaptado por Herança Judaica de Pedro Apolinário.

Anúncios